um blogue pessoal com razões e emoções á esquerda

UM BLOGUE PESSOAL COM RAZÕES E EMOÇÕES À ESQUERDA

terça-feira, 31 de julho de 2012

Tráfico & corrupção: Doença genética do capitalismo (parte II)

por César Principe


Favor com favor se paga


Para assegurar o pleno funcionamento e buscar o máximo rendimento, o capitalismo de ponta, com formação académica cosmopolita, treinado em ditaduras brutais e democracias formais, cuida das relações com o Estado (Administração Central /
Local/Regional), apostando na criação e aliciamento de pessoal que desempenhe funções em nome da Cidadania e do Serviço Público. Os protagonistas do capital, utilizando os seus legisladores na Assembleia da República, nos Governos, em Sociedades de Advogados, estas, desde há anos, alçadas a quinto órgão de soberania, começam por reformular os imperativos republicanos (não foi por acaso que a primeira revisão constitucional se voltou para a matéria económica). [2]
Aqui actua o legislador, fabricando, por caderno de encargos, complacência ou incompetência, ordenamentos à medida das clientelas, das suas oportunidades e dos seus sobressaltos. A legislação permite lucros imorais aos grupos financeiros. Quem aponta o dedo ao complot legalista? Karl Marx, em 1867? Não. José Castanheira, em 2012. [3]
Para outros, tratar-se-á de má qualidade do processo legislativo. É um parecer tecnicista e benévolo muito em voga entre os bloquistas centrais com alguma subtileza e capacidade de desculpa. Na realidade, o enriquecimento lícito é tanto ou mais grave e danoso do que o enriquecimento ilícito. E como se ascende a membro da tríade legislativa? Óbvio: através de outra tríade, a partidária (PSD/CDS/PS). O grande capital é mecenas destas companhias de teatro eleitoral, coopera na indicação ou sugestão de representantes da Nação, recruta quadros para o vaivém EE/Empresa-Estado/Estado-Empresa. Assim se solidificam os laços do Arco do Poder/Arco de Influência. Este BCI/Bloco Central de Interesses foi assumindo, desde 1976, uma irrefreável vocação de business , sendo, hoje, tarefa delicada destrinçar até onde os três partidos ou agremiações se reduzem a Centros de Super-Emprego e Agências de Negócios. Raul Rego publicou, em 1969, um opúsculo com um elenco de figurões do regime fascista que se passeavam do Poder Político para o Poder Económico. [4]
Em 2011, o Diário de Notícias localizou 40 ministros e secretários de Estado, que saltaram dos Governos para as Empresas. [5]
Que rol de competências e afinidades terão demonstrado para merecerem acolhimento fervoroso e reconhecimento distintivo? Lusoponte? Mello? Quimigal? Mota-Engil? Cimpor? Camargo? Iberdrola? Endesa? EDP? Portgás? Galp? Sonae? Brisa? Efacec? Sapec? BCP? BPN? BPP? BES? Santander? BANIF? BIC? CGD? BP? CMVM? ANA? TAP? CTT? PT? Ongoing? Fundações (Gulbenkian/ Centro Cultural de Belém/ Arpad Szenes-Vieira da Silva/Serralves/ Casa da Música/ Oriente/ Luso-Americana/ Champalimaud/ Manuel dos Santos-Jerónimo Martins)? Misericórdias? Na esteira de ex-governantes do Bloco Central de Interesses, vai um séquito de ex-assessores, de antigos chefes de gabinete e segue uma escolta do entourage partidário. Mas alguns servidores (ex-governantes e autarcas) sobem, lanço a lanço, a escada do sucesso, metamorfoseando-se em empresários e banqueiros. O motor de busca de cabeças políticas, coroadas pelo capitalismo, levar-nos-ia por tortuosos corredores. Como merecer retrato na Galeria do Sistema? Como ter assento no Governo Visível e ser da confiança do Governo Invisível? [6]
Não faltam cursos de província e diplomas de Harvard. E não faltam bailarinos de turno para as danças de cadeiras. Exibem currículos da causa pública e da coisa privada. Pavoneiam-se. Os fascistas eram mais complexados. Evitavam as parangonas: Nomeação do dr. Dias Rosas para governador do Banco Nacional Ultramarino. Não pôr, em título, que é antigo ministro da Economia. (Ordem da Censura). [7]

A Grande Porca


Opinadores dos EUA caracterizam a elite governativa do seu país, farol e torre de controlo do capitalismo, como cleptocracia bipartidária. [8]
Em Portugal, dadas as dificuldades na imposição de todo o receituário neoliberal convirá relembrar aos coleccionadores de calendários: houve uma Revolução democrática em 1974 e continua em alta a resistência constitucional), optou-se pelo consenso alargado, recorrendo-se à via tripartidária, tendo a direita clássica atraído a direita moderna (PS) para conluios domésticos e cumplicidades internacionais e a direita moderna convidado a arcaica para parceiratos, reabilitando inclusive figuras do Estado Novo no Novo Estado. Rotativismo? Caciquismo? Tráfico? Corrupção? Lojas de Conveniência? Mimetismo Negocista? Nem precisaríamos de citar um ex-governante norte-americano, temos doutrina caseira e secular (1908): Nenhum dos dois partidos (Regenerador e Progressista) se distingue do outro, a não ser pelo nome do respectivo chefe. [9]
Não se distingue nas opções de fundo e no arrivismo dos barões. Na transição do séc. XIX/XX, como na transição do séc. XX/XXI, havia ministeriáveis, ministros e ex-ministros implicados em esquemas (rostos do painel: Hintze Ribeiro/José Luciano e Castro). Oliveira e Costa, Dias Loureiro, Isaltino Morais, Armando Vara, José Penedos & aparentados podem consultar os sacos azuis da Monarquia e os cadastros do Fascismo e descobrir o seu brasão no Armorial. Hoje, o fantasma BPN/SLN ronda o inquilino de Belém, como o fantasma Freeport ronda o ex-inquilino de São Bento, como o fantasma dos adiantamentos rondou o rei Carlos. Vivemos na democracia da Grande Porca: [10] Fax de Macau, Bragaparques, Contentores de Alcântara, Banco Insular, Face Oculta, Apito Dourado, Operação Furacão, Portucale, Monte Branco, EXPO, Ponte Vasco da Gama, Submarinos & Casinos, Prescrições de Processos de Fundos Comunitários UGT & Américo Amorim, Aditamentos & Contratos Paralelos, Concursos Directos & Pagamentos Sem Conta, Contabilidades Engenhosas & Derrapagens Calculadas. Como afiança o rifão: O céu é de quem o ganha, a terra de quem a apanha. Como desabafou o refugiado António Guterres, isto é um pântano. Como gracejou o desertor Durão Barroso, isto está de tanga. Como reconheceu, sem rodeios, o empresário Henrique Neto, isto (Portugal) está entregue à máfia. A mafiocracia já actua de cara destapada na Americolândia, na Eurolândia, na Lusolândia: Goldman Sachs, Icesave, Allied Irish Bank, BPN, Bankia aí estão para comprovar que os maiores assaltos a bancos são perpetrados por bancos e dentro dos bancos. Na década de 80, escrevi algo de antecipador relativamente ao colapso do sistema financeiro/2008: o maior assalto a um banco não é praticado à metralhadora mas com caneta Parker. [11]
Os comunistas socorrem-se de um instrumental dialéctico e sinalético que lhes permite visão de microscópio e telescópio. Pena foi e continua a ser que demasiados portugueses não usem lentes de ver ao perto e ao longe. Cá como lá: Os dois maiores obstáculos para a democracia nos Estados Unidos são: primeiro, a ilusão generalizada entre os pobres de que temos uma democracia, e segundo, o terror crónico entre os ricos de que tenhamos uma. Edward Dowling o escreveu. John Pilger o subscreveu. [12]

Castro Monte Mozinho - Penafiel



Um dos Castros mais importantes e de maiores dimensões do Noroeste Peninsular
A Cultura Castreja é o nosso maior património arqueológico ETNICO.

segunda-feira, 30 de julho de 2012

os criminosos que o ocidente apoia



Chamo desde já a atenção que o vídeo que coloco aqui contém imagens de extrema violência embora em abono da verdade, segundo os cânones "ocidentais", quando a violência é praticada pelos nossos amigos depressa se transforma em redenção e glória.

Mahmud Mohamed Ali, tenente do exército sírio, foi capturado pelas brigadas Al Ghuraba e Eiz Al Din Kasam do autodenominado Exército Sírio de Libertação que as nossas televisões acompanham mas que vá-se lá saber porquê omitem coisas como estas, ocupados que estão em mostrar as barbaridades do exército regular, esquecendo-se ou tentando fazer esquecer-nos que esta coisa tem sempre dois lados. Depois de torturado foi levado até à margem do rio Eufrates e ali sumariamente executado como mostra o vídeo que foi colocado na internet pelos próprios rebeldes, o que diz bem da qualidade da gente que temos no nosso círculo de amizades.

Também há poucos dias o vice-ministro do Interior iraquiano, Adnan al Assadi, em declarações à France-Press descreveu a tomada de um posto sírio fronteiriço com o Iraque pelas forças rebeldes do mesmo exército de "libertação". Contou o vice-ministro que ao coronel que comandava o posto e aos 22 militares sob o seu comando o exército de “libertação” cortou os braços e as pernas um atrás do outro ante o olhar espantado dos soldados iraquianos do outro lado da fronteira.

É esta gente que Ban Ki-Moon,Laurent Fabius, a senhora Clinton e Paulo Portas defendem.

domingo, 29 de julho de 2012

Danças Ocultas - La Danse Idéalle + Dança II

NOTÍCIA E COMENTÁRIO

“Incendiou submarino nuclear para sair mais cedo do trabalho”

Um jovem pegou fogo, por duas vezes, ao submarino nuclear onde se encontrava a trabalhar, nos Estados Unidos, pois sofria de ansiedade e queria sair do trabalho para ir falar com a ex-namorada. O prejuízo ascende aos 400 milhões, cerca de 325 milhões de euros e a pena pode chegar a prisão perpétua.
Casey James Fury, um jovem que estava a trabalhar num submarino nuclear como pintor, pegou-lhe fogo por duas vezes. Segundo a cadeia de televisão ABC, o jovem de 24 anos estava a tomar medicação para problemas de ansiedade e depressão.
Fury explicou que usou um isqueiro e cigarros para pegar fogo a alguns trapos, no primeiro incêndio, em maio, que demorou 12 horas a extinguir. O segundo incêndio, em junho, começou depois de ter trocado algumas mensagens com a ex-namorada, sobre o homem com quem ela saía na altura. O jovem pegou então fogo a alguns toalhetes que continham álcool, fora do submarino.
A princípio o jovem negou ter sido o autor, mas acabou por admitir agora, após ter feito um teste num detetor de mentiras em que o examinador se apercebeu que Fury não estava a ser sincero. O jovem mentiu pois estava assustado e os acontecimentos não estavam muito claros na sua mente, devido à medicação.
Comentário:
Esta história tem muito de inverosímil. E em qualquer caso, sendo verdadeira ou não, mostra o grau de alienação da sociedade americana e a qualidade dos seus dirigentes. Os POLÍCIAS DO MUNDO são perigosamente LOUCOS!

escroque





Ban Ki-Moon é um escroque. O secretário Geral da ONU transportou a chama olimpica pelas ruas de Londres. Participou até na cerimónia de inauguração do Jogos Olimpicos de Londres transportando a bandeira olimpica. Discursou como sempre em alturas destas falando em "mensagem de paz". As suas palavras são maviosas. Mas o seu comportamento é cínico.




O ex-diplomata sul coreano, que os poderes mundiais alcandoraram a Secretário Geral da ONU, é um mero instrumento dos Estados Unidos, da NATO e do capitalismo internacional. Segue as orientações estratégicas, politico-militares, do mundo unipolar, surgido nos finais da década de 80 do século passado. Apoia o aventureirismo do imperialismo, que incendeia e destrói povos e nações á medida dos seus interesses (Iraque, Afeganistão). Não resolve nenhum dos conflitos históricos em que o império possa estar em causa e a justiça internacional devia imperar, de acordo com decisões da Assembleia Geral da ONU (criação do Estado Palestiniano, reunificação de Chipre, embargo norteamericano a Cuba).




O Secretário Geral da ONU Ba Ki-Moon nada faz para restabelecer a legitimidade democrática na Guiné Bissau, objecto de um golpe de estado em 12 de abril, nas vésperas de eleições, por parte de forças ao serviço do tráfico de droga. A sua tolerância para com golpistas, locais e regionais, explica tudo. Já anteriormente em outro país da comunidade de lingua portuguesa, em Timor Leste, a ONU de Ba-ki-Moon foi cumplice na golpada eleitoral que depôs a FRETILIN em favor do Sr. Ramos Horta, do Sr. Xanana, dos interesses australianos e das petrolíferas do mar de Timor.




A mesma irresponsabilidade presidiu á criação em África de um país, o Sudão do Sul, uma entidade fantoche, ao serviço de potências europeias, com cheiro a petróleo e outros recursos minerais.




Nos conflitos dos países do norte de África , o papel de Moon é criminoso. Em nenhuma circunstância há uma lógica de diálogo e consenso, de criação de uma transição democrática. O caminho está traçado: a apropriação de território e das suas riquezas naturais. Alguns pensam em liberdade e democracia. Não. Há o incentivo á guerra tribal, ao ajuste de contas colonial, o tudo ou nada, a aliança espúria entre forças militares ocidentais e fundamentalistas radicais dinamizados e financiados pela Arábia Saudita e pelas monarquias do Golfo Pérsico. A insensibilidade humanitária de Moon é real.


Destruída a Libia, remetida a experiência da construção da sua unidade politica e desenvolvimento económico e social para décadas atrás, novos passos foram dados. A Síria apareceu como alvo a abater. Foram mobilizados recursos enormes, propagandisticos, financeiros, logisticos e em mercenários. A Síria porquê? Porque a Síria é o mais consistente país árabe no apoio á causa palestiniana, porque a Síria é um país multiconfessional onde coexistem várias comunidades, e portanto onde é possível fomentar fracturas de identidade e coesão nacional, porque a Síria é aliada tradicional do Irão, onde se localizam os poços de patróleo, porque a Síria é vizinha da Turquia, com uma fronteira comum onde fácil é criar santuários de entrada de mercenários e armas.


A guerra civil síria não passa de uma guerra induzida do exterior. Ban Ki-Moon sabe-o. Daí o seu "medo" e "indignação" pela utilização de armas químicas pelas autoridades sírias, "em qualquer circunstância". A história repete-se. As "armas quimicas" inexistentes no Iraque justificaram a invasão. As "armas quimicas" inexistentes no Iraque precederam a guerra e a destruição. A "circunstância" admitida por Moon é a invasão e a "normalização" síria.


Ban Ki-Moon é um escroque.

sábado, 28 de julho de 2012

Tráfico & corrupção: Doença genética do capitalismo (parte I)

por César Príncipe

Sobre tráfico e corrupção muito se fala e pouco se clarifica. Situaremos o problema na esfera ideológica e na ilustração do concreto.

No sistema do capitalismo real, o tráfico e a corrupção são elementos estruturantes; no sistema do socialismo real, são elementos acidentais. Não é um mero contraditório semântico e muito menos um resquício de ingenuidade ou um preconceito transformado em filosofia: a experiência histórica revela o problema e confronta o dilema.

Bastará sinalizar quatro países como observatório: EUA, Portugal, URSS, Cuba.

Nos Estados Unidos, um dos super-veículos das virtudes do capital, o tráfico de influências e a corrupção granjearam estatuto legal e gabinete no Congresso. Sentaram-se à cabeceira da Mesa do Plano e do Orçamento. Passaram à categoria de lobby. Conquistaram espaço de diálogo junto do Legislador e nas cercanias do Executivo.
Em Portugal, o lobby esconde-se sob nomes grotescos como sucateiro ou pós-modernos como parceria público-privada. Mas é possível estabelecer uma barreira sanitária.
Na União Soviética, o tráfico de favores e a corrupção existiam mas não determinavam as relações estatais-empresariais nem a diplomacia económica. Não por obra e graça do homem novo. A democratização do ensino e a didáctica cívica não seriam dissuasores bastantes. A ordem económico-financeira de natureza socialista é o factor condicionante. No socialismo real, os benefícios à margem da lei, em geral, não transcendem o abuso corrente, o nepotismo, a promoção sem mérito, o acesso a mordomias. Já no capítulo do comércio externo aumenta o potencial de risco, pois entram em cena actores privados e podem ser sugeridas escapatórias extraterritoriais. Mantém-se, porém, nos gráficos da relatividade.
Aplicada a tese a Cuba, o Estado impôs dispositivos de curto-circuito, e como os meios são escassos, embora a corruptela possa atingir alguns departamentos ou alguns agentes, não é fácil alcançar escala: a vida do traficante, do corrupto e do corruptor move-se numa malha apertada, já que a economia de peso está em mãos da mesma entidade e a finança não serve de lavandaria nem faz ponte com paraísos fiscais e as autoridades têm tradição supervisora, até porque o Império (a 150 quilómetros) tenta a cada minuto minar a credibilidade do regime.

A teoria do bom selvagem do Norte


A nossa tese vai, portanto, no sentido de que o tráfico e a corrupção não são uma doença infantil ou senil do capitalismo, mas um expediente necessário ao longo dos ciclos de acumulação de riqueza, de sabotagem e anulação da concorrência, de drenagem dos erários para os privados. Daí que, ao contrário do acento posto pelo núcleo português da Transparency International, [1] que elabora um mapa de corrupção, desenhado segundo padrões de subdesenvolvimento/
desenvolvimento, reabilitando, agora para euro-consumo, o estigma de africanos, asiáticos e sul-americanos ou a fórmula de um capitalismo selvagem, a Sul, e de um capitalismo civilizado, a Norte, sustentamos que a corrupção de topo é pilotada pelas potências políticas, industriais, comerciais, financeiras.

Um relance por países-modelo e deparar-nos-emos com uma paisagem de teias e pirâmides: Alemanha (que volta a defender trabalho escravo e decreta o confisco de salários e pensões nos países sujeitos a resgate, incorporou a economia da corrupção e da evasão, sobretudo por banda de companhias majestáticas, emergindo a Siemens como bandeira: a BDK/União Alemã dos Investigadores Criminais e a Transparency calculam em mais de 200 mil miilhões de euros/ano as perdas, devido a subornos e a fintas ao fisco, sendo rotineiros os fluxos de capital clandestino, nomeadamente para a amável Suíça); França (sede de tráficos múltiplos: armas, diamantes, petróleos, de que a multinacional Alston é flagrante paradigma, funciona como abrigo de ditadores cleptocratas e sanguinários); Suíça (um dos terminais e tectos da criminalidade financeira mundial); Inglaterra (omnipresente nos caminhos da corrupção económico-financeira e da evasão fiscal, com musculosos tentáculos no Médio Oriente e na Ásia, além de incondicional anfitriã da máfia russa); Estados Unidos (capital do capitalismo de assalto, das lavandarias de armamento, droga e proxenetismo, dos desvios colossais, no âmbito civil e militar: um parafuso de um avião de combate encarece dezenas de vezes entre a fábrica e o Pentágono, milhares de milhões de dólares levam sumiço no Iraque/Afeganistão).

O capitalismo tende a ser selvagem e corrupto. Nunca houve capitalismo civilizado por vontade própria. Quem o poderá moderar é a perspectiva organizada do mundo do trabalho, a inteligência do protesto, a força da reivindicação, o corrector democrático, a alternativa de classe. De outro modo, a sacra iniciativa privada sempre tomará a iniciativa de explorar, roubar, corromper, amedrontar, manipular, através da posse e gestão dos recursos materiais e da captura política, jurídica e mediática da sociedade. O predomínio da propriedade individual, familiar e de grupo sobre a propriedade social, cooperativa e nacional favorece a desregulação entre empresas e a permissividade crónica entre empresas e Estados. O tráfico de favores e a corrupção associada são ingredientes do capital, tão indispensáveis como as crises. De facto, o capitalismo de dimensão nacional, continental e intercontinental não está em crise. Não se confunda o provocador da crise com as suas vítimas. Desde a sua aparição, expansão e consolidação que o capitalismo sempre foi uma marca de crise e dá a volta à crise pilhando o tesouro público e saqueando as populações e as pequenas e médias empresas, lançando operações de domínio de povos e territórios. Biliões de seres humanos têm sofrido as dores de crescimento e recuperação do capitalismo. Ele entrará, de facto e de jure, em crise se ocorrer uma ruptura sistémica, uma tomada do poder pelos trabalhadores e pelos seus aliados de convicção ou circunstância. Só então se poderá declarar que, em determinada zona do globo, o capitalismo perdeu a direcção da História e deixou de ser fonte beneficiária da corrupção, da espoliação, da sujeição, da alienação. Descodifiquemos, pois, a corrupção e a crise. Teremos de as reler como energias renováveis das máquinas de assalto do capitalismo nacional, regional e global.

INICIATIVAS DE VERÃO II







DISTRIBUIÇÃO DE PROPAGANDA

Paredes, 28 de Julho de 2012
CDU de Paredes




iniciativas de Verão



II Festa do Marceneiro
Lordelo, 22 de Julho de 2012
Organização Sector Profissional do Mobiliário do PCP

humor



Segundo a Teoria do Einstoino no Mundo Académico a melhor forma de obter uma licenciatura Académica passa pela fórmula E=MC^2...




Em que E representa equivalências, o M, muitas e o C as cadeiras.






Soma e segue, depois do BPN por 40 milhões, o governo vende agora o Pavilhão Atlântico por 21,2 milhões de euros a Luís Montez, custou 50 milhões aquando da Expo. Por algum motivo o outro dizia que se lixem as eleições, enquanto der vendem tudo a pataco, aos amigos claro. O comprador "por mera coincidência" é genro de Cavaco Silva, uma família prendada para os negócios de ocasião se nos lembrarmos da Quinta da Coelha ou das acções do BPN...
Mais a Norte os "jotas" do mesmo partido tomam de assalto a direcção dos centros de saúde ainda que não tenham a mínima experiência no sector, de saúde o que conhecem foi apenas o que o médico lhes disse quando foram à última consulta. É a festa laranja de Norte a Sul, a Universidade de Verão do PSD, onde aprendem a arte de roubar, é agora em Agosto, quem lá vai fazer uma perninha é Luis Amado, o ex-ministro dos Negócios estrangeiros que vai certamente ensinar os jotas como passar dos negócios estrangeiros para os negócios da banca onde é agora presidente do conselho de administração do Banif. Quem também vai dar aulas será Leonor Beleza, Marcelo Rebelo de Sousa e António Borges.
Como se pode ver é uma autêntica "escola de virtudes", espero que façam jus ao nome e não se esqueçam de Miguel Relvas, nada deve faltar aos jotas na sua preparação para a vida.

(em salvoconduto.blogs.sapo.pt)

sexta-feira, 27 de julho de 2012

DOUTORAMENTO DE EUGÉNIO ROSA

Doutoramento de Eugénio Rosa

por Jorge Figueiredo (em resistir.info)


No dia 19 de Julho Eugénio Rosa prestou provas de doutoramento no Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), tendo sido aprovado com a nota máxima ("Muito bem com distinção"). O Júri foi presidido pelo Prof. Doutor José António Correia Pereirinha e constituído também pelos Prof. Doutores João Ferreira do Amaral, Ilona Kovácks, Manuel Lisboa, Joaquim Ramos Silva e Paula Dias Urze.


A tese "Grupos económicos e desenvolvimento em Portugal" exigiu quatro anos de investigação e é o mais importante estudo sobre o assunto desde o antigo trabalho de Belmira Martins, realizado há 30 anos atrás. A orientadora foi a Professora Ilona Kovácks, do ISEG. A análise concreta de uma situação concreta é um dos aspectos mais meritórios deste novo trabalho de investigação. Estamos longe, aqui, do esoterismo que caracteriza certos economistas assumidamente neoliberais (e outros que são neoliberais encapotados). Eugénio Rosa trata daquilo que é realmente importante.


Este trabalho contém um conjunto de dados que dão uma ideia clara do domínio da economia, da sociedade portuguesa e do poder político em Portugal por 44 grandes grupos económicos – grande parte deles em estreita associação com o capital estrangeiro. Verifica-se também o condicionamento do desenvolvimento do país pelos grupos oligopolistas. Eles falam sempre em defesa "concorrência", mas isso é mera conversa ideológica para disfarçar a sua dominação onde não há concorrência nenhuma. Convém recordar a propósito a tese de Paul Sweezy de que o capitalismo na sua fase monopolista tende para a estagnação da economia real. A situação portuguesa confirma-o.


A recuperação de posições pelo capital oligopolista e financeiro, a partir de 1976, destruiu sectores inteiros da economia real do país – e a trágica adesão ao euro há dez anos atrás foi a pá de cal. Dentre as conclusões finais que resultam da investigação, nas palavras do autor, destacam-se:


1- A lógica de funcionamento dos grupos económicos é global e orientada pelo objectivo de criação de valor para os accionistas, o que determina que os objectivos de crescimento económico e de desenvolvimento equilibrado e sustentado do país são inevitavelmente secundarizados (os efeitos positivos são colaterais).


2- O Estado só tem possibilidades de ter um papel activo na promoção do crescimento económico e do desenvolvimento se tiver nos sectores estratégicos – financeiro, energia, comunicações, etc. – empresas públicas importantes e com capacidade para terem uma acção determinante, e integradas num plano de desenvolvimento com objectivos claros e metas que responsabilizem os seus gestores, o que nunca aconteceu.


3- Um Estado fraco, que resulta do seu afastamento da economia, gera necessariamente organismos regulatórios fracos que ficam rapidamente reféns dos grupos económicos.


4- Entidades internacionais com poderes regulatórios são complementares mas nunca poderão substituir os Estados nacionais na função de promover o crescimento e o desenvolvimento equilibrado e sustentado do país.

The Beatles - While My Guitar Gently Weeps



Do vol 1 do "The White Album" de 1968
a REVOLUÇÃO das flores, com o início dos Beatles

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Actividade Politica

Não tendo havido resposta aos requerimentos formulados na Assembleia Municipal de Paredes há mais de 45 dias, informo que :

1) os semáforos junto aos Quartel dos Bombeiros de Paredes já funcionam há 7 dias
2) seguiu pedido de esclarecimento á ADER-SOUSA e Autoridade de Gestão do PRODER, com reencaminhamento para a Assembleia da República, sobre o investimento em um pequeno campo de golfe em Vila Cova de Carros

quarta-feira, 25 de julho de 2012

as promessas de Mendes

A propósito de uma reportagem da RTP sobre o encerramento da Escola de Moinhos em Lordelo, Paredes, importa ter em atenção a partir do minuto 16 a opinião de pais, Associação de Pais e funcionários. São 352 crianças de Lordelo numa mesma escola, 1628 alunos do Básico e Jardim de Infancia em 5 centros escolares (a substituir 17 escolas).

ver http://www.rtp.pt/programa/tv/p1103/c88651

a "promessa" do Sr. Dr. Pedro Mendes, vice-presidente da Câmara:
"todas as crianças que estão a estudar em Paredes nos novos centros escolares têm um transporte dedicado e até mesmo (posso dizer) muito diferenciado porque quase que vamos buscar as crianças a casa"

noticias da guerra social

O lucro da Jerónimo Martins, dona do Pingo Doce, cresceu 5,6 por cento no primeiro semestre deste ano face ao mesmo período do ano passado, atingindo os 152 milhões de euros, anunciou hoje a empresa de distribuição. Foi neste semestre que o Pingo Doce fez aquela operação mediático-fascizante no 1.º de Maio.

Em Junho deste ano a média das pensões de reforma dos quase 2000 funcionários públicos que se reformaram foi de 1024 euros brutos por mês, o valor mais baixo desde 2003. Então a média era de 1409 euros. Hoje é 27% menos. Por isso há menos pedidos de reforma na administração publica e prolonga-se o tempo de trabalho.

Desde 2000 mais de 4000 (!) serviços públicos fecharam em Portugal, nomeadamente postos de correio. escolas, maternidades e unidades de saúde. O Distrito de Viseu perdeu 480 serviços públicos, a que se somarão mais nove tribunais na reforma do mapa judiciário. Segue-se Vila Real com menos 444 serviços públicos, a que se somarão mais 6 tribunais. Depois, neste lamentável ranking está Aveiro (348 serviços), Lisboa (339), Bragança (302), Braga(297), Coimbra (281), Santarém (278), Guarda (267), Porto (266) e Leiria (229). A lista continua até Portalegre, com 39 serviços públicos encerrados. Os dados transcritos limitam-se aos distritos do Continente, por não se conhecerem dados de escolas encerradas nas Regiões Autónomas.
Conclui-se que independentemente de casos concretos de sectores ou locais onde se justifica a decisão de encerrar, há uma razia nos serviços públicos, promovida pelo PS, PSD e CDS, nomeadamente a Norte e no Centro, com prejuizo indesmentível para a assistência das populações e desenvolvimento local. E mais do mesmo se adivinha...

desemprego




Dados do IEFP confirmam:

Primeiro ano do pacto de agressão e do governo PSD/CDS provoca destruição record de postos de trabalho

Desemprego jovem cresce mais de 40% no distrito do Porto



Os dados agora divulgados pelo IEFP, relativos ao desemprego registado no final de Junho, confirmam as denúncias que o PCP tem vindo a fazer: o pacto de agressão que o PS, o PSD e o CDS assinaram com a troika está a afundar o país!

Um ano após o início de funções do governo PSD/CDS e da aplicação do chamado memorando de entendimento, o IEFP aponta um aumento superior a 26500 trabalhadores em situação de desemprego, relativamente a Junho de 2011. É um crescimento de 21,4% relativamente ao ano passado.

Em todos os concelhos do distrito do Porto o desemprego cresce brutalmente. Em Penafiel e Matosinhos, há um crescimento de desemprego superior a 30% neste último ano!

Já nos concelhos de Gondomar, Lousada, Maia, Marco de Canavezes, Paços de Ferreira, Paredes, Porto, Póvoa de Varzim, Valongo e Vila do Conde o desemprego cresceu mais de 20%, em igual período.

Desemprego jovem alarmante

Este rumo que está a ser imposto ao país, não resolvendo nenhum dos problemas e agravando-os a todos, está também a hipotecar o futuro, empurrando as jovens gerações – as mais qualificadas de sempre – para a emigração forçada, para o trabalho mal remunerado, para a precariedade ou para o desemprego.

O desemprego jovem no distrito do Porto cresceu 40,3%, um crescimento bem superior ao verificado na região norte e no país.

Há concelhos onde este flagelo atinge proporções alarmantes, a exigir medidas urgentes, como é o caso de Amarante (+58,4% de desemprego jovem), Marco de Canavezes (+51,8%), Matosinhos (+61,6%), Penafiel (+52,8%) e Vila do Conde (+74,4%).

É preciso dizer Basta, exigir outra política!

Os números aqui referidos traduzem a dimensão dos problemas sociais, da realidade e do drama que centenas de milhares de famílias deste distrito vivem. Um problema que é agravado pelo facto da grande maioria dos desempregados não ter direito a subsídio de desemprego, sendo empurrados para a miséria extrema, para o recurso à caridade como alternativa à fome e às degradantes condições de vida em que vivem.

A tragédia do desemprego jovem não se resolve com o programa do ministro Relvas nem com a reafectação de fundos do QREN que só aumentarão a precariedade e constituem uma cortina de fumo visando esconder a realidade e salvaguardar os responsáveis pela situação que se vive.

É urgente dizer BASTA a este rumo de saque e destruição do país e da região.

O PCP reafirma que só com a rejeição do Pacto de Agressão, só com uma ruptura com a política de direita, só libertando o país dos interesses do grande capital, pode haver futuro. O País precisa, de uma outra política, de uma política patriótica e de esquerda que o PCP propõe, de onde se destaca:

Uma política que garanta a efectiva defesa da produção e do aparelho produtivo da região e do país, valorizando o mercado interno como componente do crescimento económico; o apoio efectivo às micro, pequenas e médias empresas;

Uma política que dinamize o investimento público, promova a justiça fiscal e aposte na valorização dos salários (designadamente com o aumento do salário mínimo nacional), das reformas e pensões, das prestações sociais, inseridas num processo de combate às injustiças e melhoria das condições de vida da população, bem como de estímulo ao mercado interno e à actividade económica;

Uma política que assuma a imediata renegociação da dívida pública – nos seus prazos, juros e montantes – incluindo a renúncia da componente ilegítima dessa dívida e a assumpção de um serviço da dívida compatível com as necessidades de crescimento económico e criação de emprego;

Uma política que concretize o fim das privatizações e a recuperação do controlo público dos sectores estratégicos da economia nacional colocando-os ao serviço dos trabalhadores e do povo;

O fim das portagens nas SCUT, enquanto não houver alternativas viáveis.

Porto, 20 de Julho de 2012

O Gabinete de Imprensa da DORP do PCP

terça-feira, 24 de julho de 2012

Explosions in the Sky - Last Known Surroundings

NÃO SABER, NÃO SABER, NÃO…

Não sei. Disse o militante do CDS e vice-presidente da Câmara de Penafiel Antonino de Sousa na sessão de julgamento da conhecida Mafia do Vale do Sousa. Não sei. Repetiu o aludido político ao ser perguntado sobre a razão para estar ali a testemunhar. Não sei. Reafirmou o mesmo autarca quando o seu nome aparece referido numa escuta. Não sei. Se a autarquia contratava seguranças privados? Não sei, disse Antonino. PRONTO. Exercício de cidadania, á direita.
O depoimento foi curto. Se fosse mais longo, certamente Antonino diria que não sabia se haveria clima de terror em PENAFIEL que obriga que depoimentos em Tribunal sejam prestados secretamente por videoconferência com voz distorcida e imagem oculta. Não, não sabia, que ele da noite do Vale do Sousa nada sabe.
Se fosse ainda mais longo o depoimento, Antonino diria que não sabia se era dirigente político eleito em Penafiel, e mesmo expressaria dúvidas sobre a sua capacidade em distinguir o Bem do Mal. Não, não sabe.
Aquele que um dia não muito recuado ousou afrontar o pensamento e o simbolismo de José Saramago utilizando uma “pasquinada” teórica lamentável, afinal não passa de um cómodo e niilista NÃO SEI.
Pois é. Políticos actuais e anteriores de Penafiel utilizaram muitas vezes o submundo da marginalidade em seu proveito. Agora não conseguem domar o monstro. E o povo que se lixe!

CR

MAD MAX

A GREVE, MEU DEUS! QUE PECADO! SÓ PARECIDO COM A INTERRUPÇÃO VOLUNTÁRIA DA GRAVIDEZ E O CASAMENTO DE LÉSBICAS E HOMOSSEXUAIS!

O título do artigo jornalístico é fortemente elucidativo: “Greve, a arma mortífera da crise”. Assim parecido a anúncio de filme de aventuras, classe B, ao estilo MAD MAX de Mel Gibson.

Segundo o autor do artigo, singularmente o mesmo pré-anunciado candidato do PSD a dirigir estruturas regionais e sub-regionais da Saúde que escreve quinzenalmente n´O Progresso de Paredes, e de nome Camilo Alves Mota, «os tempos dos privilégios (acabados) foram substituídos por greves desesperadas que atingiram frequentemente todas as classes sociais» (citação).

E a negrito sentencia: «São as políticas das “interrupções voluntárias de gravidez ou os casamentos de lésbicas e homossexuais”, que resultam na baixa de natalidade, com consequências e prejuízos á vista, que empobrecem o país e a todos nos atinge».

«As greves preconizam “o EIXO DO MAL” e são a destruição da riqueza dum país» conclui o conhecido médico político de Aguiar de Sousa.

Para Camilo, a crise, coitada, está órfã de pai e mãe. Tem a sua origem nuns tios bastardos, uns Srs. Privilégios sem morada certa e na Dona Baixa Natalidade, por interrompido ou inútil exercício da “função”. E da Crise resultam Greves apocalípticas ou mortíferas, rasto de fome e de miséria. MAD MAX.

O silogismo é linear. Não havendo greves não há destruição de riqueza. Proibindo greves haverá riqueza.
Eis a tese do cavaleiro do asfalto. Á procura do rumo certo. A expiar os pecados de uma lei, de uma orientação sexual. Procriemos como manda a Santa Madre Troika. A Hora, Dia, Mês e Local definido por Camilo, por D. Camilo. Combatamos as greves na cama, os “lesbianços” e os “homensexuais”. Por patrioteirismo.

CR

o povo português e as eleições



Ivo Rafael Silva em adargumentandum.wordpress.com diz que há mais de 30 anos que a coisa funciona assim... concordo completamente.

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Cultura e luta


http://elpais.com/cultura/2012/07/19/videos/1342717217_709487.html

A cantora Rocío Márquez Limón desceu no passado 5 de julho ao fundo do poço de Santa Cruz de Sil (León), onde visitou -e cantou para - os mineiros que levavam 45 dias encerrados em protesto pelos cortes nas ajudas á extração de carvão decretados pelo governo do PP.

domingo, 22 de julho de 2012

Tiempo Nuevo - No nos moveran



" Tiempo Nuevo " era formado por professores da Universidade Católica de Valparaiso...." No nos Moveran " é de 1970....

grafismo



Miradouro de S. Salvador do Mundo (S. João da Pesqueira)




O DOURO

o medo de um simbolismo contestatário


Londres 2012: proibido o uso de t-shirts do Che Guevara


Os organizadores dos Jogos Olímpicos proibiram a entrada nos recintos desportivos de t-shirts com o Che Guevara

Á medida que se aproxima o início dos Jogos Olímpicos vai-se conhecendo as estritas normas de segurança que se implementarão nos estádios onde se realizem atividades desportivas.
As medidas mais recentes estabelecem que os espectadores não poderão entrar nos recintos com t-shirts do Che Guevara nem com qualquer peça de vestuário que contenham mensagens ou expressões políticas de qualquer tipo.

Entre outros objetos, também não se poderá entrar nos Jogos com bolas, câmaras fotográficas com lentes de largo alcance, matracas, guarda chuvas e garrafas de água, segundo a lista que publica o diário britânico Daily Mail.

As proibições são estritas e formam parte das normas de segurança que implementarão as forças de segurança que protegerão os desportistas envolvidos nos Jogos Olímpicos.

Por causa destas medidas o comité organizador foi criticado que também abarca a proibição de dormir ao ar livre que, se considera, poder ser utilizado para organizar uma sabotagem ou atentado.Também não se poderá circular com quantidades excessivas de alimentos. A organização estima que os lugares oficiais destinados a isso serão suficientes.


La Nación

A burguesia inglesa revela forte medo das simbologias contestatárias. A burguesia inglesa, neste actual momento histórico, tem medo da livre expressão do pensamento, habituada á "zona de conforto" do controlo ideológico férreo dos jornais do sr. Murdoch, e á diversão alienante dos jornais "populares" de grande tiragem. No Reino de sua Majestade, tudo o que contesta o sistema é eliminado ou á bomba (como nas diversas aventuras do imperialismo) ou apagado pela censura.

A burguesia inglesa é das mais activas em apoiar o anti-comunismo, e o verter na lei em muitos países.

A burguesia inglesa é das mais activas em reescrever a história, apagando crimes inenarráveis do seu passado colonial. O actual acontecimento desportivo é um pretexto. Mas a Terra move-se e o CHE (como outros) está sempre PRESENTE!

sexta-feira, 20 de julho de 2012

The Smiths - Bigmouth strikes again

poema

PORQUE
Sophia de Mello Breyner Andresen

Porque os outros se mascaram mas tu não
Porque os outros usam a virtude
Para comprar o que não tem perdão.
Porque os outros têm medo mas tu não.
Porque os outros são os túmulos caiados
Onde germina calada a podridão.
Porque os outros se calam mas tu não.

Porque os outros se compram e se vendem
E os seus gestos dão sempre dividendo.
Porque os outros são hábeis mas tu não.

Porque os outros vão à sombra dos abrigos
E tu vais de mãos dadas com os perigos.
Porque os outros calculam mas tu não.

notícias da guerra social

A proposta de encerramento de 16 urgências hospitalares e desclassificação de outras, formulada por uma Comissão de Reavaliação da Rede Nacional de Emergência/Urgência mostra que a politica de saúde do Governo, assesssorada por estruturas ditas "independentes" ao seu serviço nos conduzirá ao completo DESASTRE.
Assim perdem o estatuto de urgência básica as localidades de Macedo de Cavaleiros, Valongo, Lagos, Loulé, Oliveira de Azeméis, Fafe, Santo Tirso, Montijo, Serpa, Montemor-O-Novo, Estremoz, Tomar, Idanha-a-Nova, Peniche, Agualva-Cacém.
Perdem valências as Urgências de Mirandela, Póvoa do Varzim, Vila Nova de Gaia, Coimbra, Figueira da Foz, Castelo Branco, évora, Almada, Torres Novas.

As populações devem exigir dos seus autarcas , mesmo os "alinhadinhos" com o governo, a sua solidariedade e dinâmicas de contestação.

MADEIRA 2012 - O DUPLO INFERNO

Perante o horror, falar da obra do jardinismo, da crise e do seu discurso "independentista" contra os "cubanos" do continente não deixa de ser irónico. Afinal o Inferno pode ser Global.

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Até o Antigo Testamento ensina que a renegociação da divída é o mais adequado


Bernardino Soares, PCP, Comissão dos Negócios Estrangeiros, 10.7.012

Num toque de humor duro e corrosivo, o líder parlamentar do PCP, Bernardino Soares, resolveu presentear o líder do CDS com a leitura de uma passagem bíblica:

“Se um dos teus irmãos empobrecer, e não satisfizer as suas obrigações para contigo, protegê-lo-ás, mesmo que seja um estrangeiro ou um inquilino, e deixa-o viver contigo. Não receberás dele juros nem lucro algum, mas teme o teu Deus para que o teu irmão viva contigo. Não lhe emprestes o teu dinheiro com juros, nem lhe dês os teus mantimentos para disso tirar proveito.”
(Levítico, 25, 35)

EXPENSIVE SOUL - 13 MULHERES

DAVID VILLA

Raro, mas acontece

Não é todos os dias, é até muito raro vermos futebolistas de sucesso não renegar as suas origens. A fama e o dinheiro rapidamente os fazem procurar outras "companhias", é pois de destacar a atitude de David Villa jogador de topo do futebol mundial ao solidarizar-se com a luta dos mineiros das Astúrias, em particular pela que é levada a cabo por quatro deles que já estão há 48 dias encerrados numa mina como forma de protesto contra um governo que rasga acordos firmados e lhes tolhe o futuro cortando 63% dos apoios que estavam garantidos por acordo entre as partes.
A sorte que o seu pai não teve, é mineiro reformado, teve-a Villa quando entrou nas escolas de futebol do Sporting de Gijón onde seu pai o fez ingressar na esperança de o poupar ao pesadelo da mina. Triunfou no mundo da bola mas não esqueceu as suas origens e ali esteve ele à entrada do poço onde os quatro mineiros se encontram encerrados a transmitir-lhe o seu apoio e palavras de conforto. O gesto de Villa adquire maior relevância porque serve de contraponto ao pesado silêncio a que os meios de comunicação votam a luta dos quatro mineiros. Desenrolasse-se ela num dos países do chamado "eixo do mal" e estaríamos com transmissões via satélite em directo e a cores e ocuparia pela certa a primeira página de todos os jornais do chamado "mundo democrático".
Allez Villa, hoje ganhaste mais um troféu, o da solidariedade.


(em salvoconduto.blogs.sapo.pt)

quarta-feira, 18 de julho de 2012

D. JANUÁRIO TORGAL - "TENHO VERGONHA DESTE PAÍS"

http://www.tsf.pt/paginainicial/AudioeVideo.aspx?content_id=2000827 (em 11 de setembro de 2011)

Em entrevista à TSF, o bispo das Forças Armadas e Segurança considera que «as pessoas estão desapossadas da sua dignidade», pede um um «compromisso competente» do Governo com os sectores mais frágeis da sociedade portuguesa e defende mais liberdade para o interior da Igreja. Uma entrevista realizada por Manuel Vilas Boas, na sequência do 27º Encontro de Pastoral Social, realizado em Fátima.

RUMO AO CAPITALISMO DE MISÉRIA

1.ª PÁGINA DO DIÁRIO DE NOTÍCIAS DE HOJE

terça-feira, 17 de julho de 2012

anjinhos e diabinhos negros




Depoimento desassombrado de D. Januário ou os anjinhos de que o inferno está cheio...

O Bispo das Forças Armadas diz que os membros do governo de Sócrates eram uns "anjinhos" em comparação com estes "diabinhos negros".
D. Januário Torgal Ferreira não poupou nas palavras e acusou directamente o Governo de Passos Coelho de "corrupto". O bispo das Forças Armadas disse mesmo, ontem à noite na TVI 24, que os membros do governo de Sócrates eram uns "anjinhos" por comparação estes "diabinhos negros".
"Há jogos atrás da cortina, habilidades e corrupção. Este Governo é profundamente corrupto nestas atitudes a que estamos a assistir", frisou, acrescentando: "Nós estamos numa peregrinação em direcção a Bruxelas e quando tudo estiver pago daqui de Portugal sai uma procissão de mascarados a dizer: vamos para um asilo, salvem-nos".
"O problema é civilizacional, porque é ético. Eu não acredito nestes tipos, em alguns destes tipos, porque são equívocos, porque lutam pelos seus interesses, porque têm o seu gangue, porque têm o seu clube, porque pressionam a comunicação social, o que significa que os anteriores, que foram tão atacados, eram uns anjos ao pé destes diabinhos negros que acabam de aparecer", frisou no programa Política Mesmo da TVI 24horas.

Só numa coisa discordo de D.Januário. É que de anjinhos destes está o inferno cheio.

(em antreus.blogspot.pt)

SERVIÇO PÚBLICO

O cancro da pele é uma doença que tem vindo a aumentar. Surgem cerca de dez mil novos casos anualmente em Portugal e se considerarmos os melanomas, a forma mais grave de cancro cutâneo, são 800 a 1.000 novos casos anuais. Sabendo que a exposição solar é responsável por 90% dos casos de cancro de pele, e provoca também o envelhecimento precoce da pele, verificamos que prevenir a doença é fundamental, e justifica toda e qualquer campanha de sensibilização.
Em primeiro temos a considerar o risco da exposição elevada a ultravioletas, em pouco tempo. São as férias de Verão, num país com muitos dias de sol, com os escaldões resultantes de intensa exposição a horas desadequadas, são os solários, equipamentos recentes de bronzear, que actuam na pele como o tabaco para os pulmões. E nisso gente de pele clara, olhos claros, cabelo claro, com muitos sinais ou sardas, arrisca mais.
Temos portanto as necessária mudanças de comportamento.
. Importa uma exposição solar lenta e progressiva
. Horas “seguras” são aquelas em que a nossa sombra é maior do que nos próprios (antes das 12 horas e depois das 16 horas)
.Use chapéu de abas largas, óculos escuros, camisola de algodão de manga comprida
. Protector solar de índice de protecção solar superior ou igual a 30, aplicado de 2 em 2horas, depois do banho ou sudação
. Proibição da exposição a bebés com menos de 6 meses e muito cuidado a crianças até 3 anos.
. Dias de vento e nevoeiro queimam fortemente , tal como a permanência na água, a neve, a piscina.
. Os solários estão contraindicados porque são fontes de ultravioletas potentes
. Há medicamentos como antibióticos e anti-inflamatórios que potenciam a fotossensibilidade, facilitando a agressão solar.
A CONTINUAR …

GNR - Popless



Popless, dos GNR, de 2000
Video fantástico

Dedicado a todas as mulheres bonitas que por onde passam nem a relva cressssce...

a história de uma fraude oculta em vários capítulos

Eis a Cidade Inteligente de Paredes, seus protagonistas nacionais e estrangeiros

Capítulo I - Introdução









Começaram com boas intenções e com toda a pompa e formalidade...












confraternizaram muito...











e acabaram gozando o sol e hospitalidade.

segunda-feira, 16 de julho de 2012

ANTÓNIO BORGES OU PROFESSOR BAMBO?

António Borges, ex-FMI, ex- Goldman Sachs, executivo da Jerónimo Martins, consultor do Governo para as privatizações e anunciado primeiro ministro num governo de “salvação nacional” troika/ bloco central afirmou em entrevista de 4 páginas ao Público o seguinte:

«…convém lembrar que, em Portugal, nos últimos anos, subiram-se os ordenados da função pública muito mais do que no privado».

Mais: a crer no Jornal do concorrente Belmiro de Azevedo, (cito) o consultor do governo para as privatizações, banca, revisão das PPP, diz que os problemas da poupança e do défice externo estão em vias de resolver-se. Só falta regressar ao crescimento.

Para além da óbvia disfunção linguística com a língua de Camões (natural “em estrangeirado”), António Borges tem um problema com a realidade. Torce-a, modela-a, procura dar veracidade ao seu desejo, mas ela não cede. Torna-se assim ridículo. Não tirou desnecessariamente o Curso na Farinha Amparo como alguns dos recentes dirigentes máximos do País. Mas não se vê grande utilidade num saber que vê subidas que não houve (como nos ordenados da função pública dos últimos 10 anos), problemas resolvidos que não estão (como o deficite externo em 2012 versus 2011). Para isso bastava-lhe ser o Professor Bambo.

CR

sábado, 14 de julho de 2012

sugestão de filme - RASGANÇO




Rasganço
Portugal, France
2001
100 Min


Realização Raquel Freire , Produção Paulo Branco, Fotografia Acácio Almeida, Som Vasco Pimentel


Actores Ricardo Aibéo, Ana Teresa Carvalhosa, Isabel Ruth, Ivo M. Ferreira, Cleia Almeida
O título provém da última das praxes estudantis, que consiste em rasgar o traje académico do finalista, até que este fique completamente despido. A história versa a chegada de um misterioso homem que pretende estudar em Coimbra, mas que começa a mutilar e a violar de forma desumana as estudantes. A aceitação da crítica viria a ser razoável, mas há sérias limitações e irrealidades narrativas bem como interpretativas. Há quem descubra no filme uma crítica feroz ao hierarquizado mundo universitário de Coimbra". A ver.

Relvas, o Ministro-Furacão











Jornalistas da RDP censurados pela tutela de Relvas – DEMITIDOS; adjunto de Relvas envolvido no caso das secretas – DEMITIU-SE; jornalistas do Público pressionados por Relvas – DEMITIRAM-SE; e agora, o reitor da Lusófona do Porto, autor do parecer que viabilizou as equivalências de Relvas – DEMITE-SE. Relvas é o «ministro-furacão». À sua passagem tudo colapsa. Só ele é que não.

PS: Na cozinha, a função do avental é evitar que a roupa se suje à medida que se fazem os cozinhados… a simbologia nunca falha.

(em adargumentandum.wordpress. com)


e MAIS UM POEMA

Diplomas bem bonitos
modermos, originais
compre já numa privada
não se preocupe mais

Porque lá p´la lusofona
universidade a seu gosto
satisfaz-se plenamente
o cliente mais afoito

(autor anónimo)

PAREDES E AS MISSES


Conferência de Imprensa e Boas-Vindas às candidatas a Miss República Portuguesa 2012

O Município de Paredes e a Organização do maior concurso de beleza de Portugal realizam na próxima segunda-feira, 16 de julho, pelas 14h00, no Salão Nobre da Câmara Municipal, uma Conferência de Imprensa e Sessão de Boas-Vindas às 30 candidatas ao título Miss República Portuguesa 2012 e às 10 representantes internacionais do Concurso Miss Mundo.
Recorde-se que Paredes foi, este ano, a cidade eleita pela Organização para receber a Eliminatória Nacional da Miss República Portuguesa 2012.
Até ao próximo dia 22 de julho, as 30 finalistas, com idades compreendidas entre os 16 e os 26 anos, oriundas do Continente (18), das Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores (2) e das Comunidades Portuguesas (10), percorrerão o concelho de Paredes, participando em mais de 15 iniciativas de âmbito, social, cultural e desportivo, conforme programa que será revelado durante a Conferência de Imprensa da próxima segunda-feira

Cidade das Misses com semáforos não funcionais por falta de dinheiro… Cidade das Misses com ETAR´s sem propriamente perfume de Miss…Cidade das Misses com acampamento cigano a 100m da Câmara…
Mas benvindas as MISSES!

PAREDES - imagens





Imagens de nova estrada de acesso ás obras do novo Centro Escolar de Baltar, na vizinhança do Kartódromo. Será a futura (e única) via de acesso a veículos automóveis e autocarros escolares? Estará pronta no início do novo ano escolar? Quais os custos reais da sua construção tendo em conta o seu traçado e a sua extensão? Que segurança se pode adivinhar no futuro observado o orificio da fotografia 3 entre o taipal que ladeia o kartódromo e a estrada? Dada a localização da escola, quais são os jovens estudantes de Baltar que disporão do direito ao transporte escolar e quais terão de se deslocar por meio próprio?


Cristiano Ribeiro

sexta-feira, 13 de julho de 2012

Victor Jara - Manifiesto

Pela sua Saúde, os Médicos uniram-se



Este filme pretende alertar a opinião pública para a degradação dos cuidados de saúde, para as graves dificuldades que estão a atravessar os profissionais do sector e para o risco de colapso do Serviço Nacional de Saúde.

convocatória



Passos Coelho vai hoje a Paços de Ferreira. Quem pode e quer "saudar" o homem da ventoinha?

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Quinta da Bela Vista- Parada de Todeia, Paredes






No site da CamaraMunicipal de Paredes (http://www.cm-paredes.pt/)
aparece na subdivisão TURISMO, GASTRONOMIA E VINHOS, VINHOS uma lista de produtores de vinho verde, entre os quais está a Quinta da Bela Vista.



Transcreve-se:


Esta Quinta possui uma área de cerca de 15 ha, dos quais 11 se destinam à cultura da... vinha. Produz vinho branco e tinto que é comercializado pela marca Todeia.


Dispõe de um magnífico jardim romântico do século XIX, que proporciona a todos os que visitam este espaço momentos muito agradáveis.


Contactos: Quinta da Bela Vista – Parada de Todeia 4589 – 905 Baltar Telefone: 224 331 732 Fax: 224 330 152


Pontos de interesse: Acolhimento de Grupos Acolhimento linguístico Visita guiada com pré-marcação Vinha Visita cave-adega Prova de vinho Venda de vinho Sítio natural Percurso pedestre Sala de receção.Para mais informações http://www.vinhoverde.pt/default.asp





O contacto tem um erro GRAVE a necessitar de correção. O código postal é Parada de Todeia e não Baltar, pese a intenção da Reforma Administrativa do "Dr" Relvas englobar Parada de Todeia num território centrado em Baltar.

Toquinho - Aquarela

ESPANHA - AMOR EM TEMPO DE CÓLERA









Espanha, as soluções para a crise de Rajoy são as mesmas de Coelho