um blogue pessoal com razões e emoções á esquerda

UM BLOGUE PESSOAL COM RAZÕES E EMOÇÕES À ESQUERDA

sábado, 30 de junho de 2012

Sugestão de filme - Kangamba



Kangamba é um filme cubano de 2008, que relata o cerco das tropas da Unita em 1983 á localidade angolana de Kangamba e a resistência das tropas angolanas e de uma força cubana heróica. A fição de uma realidade histórica, um soberbo filme de Rogélio Paris, que se pode ver na Net e que se deveria ver na televisão ou no cinema. A prova de que a censura cultural existe.

Catastroika - 2012 - Parte 3

poesia do Aleixo



Execução orçamental confirma a política de desastre que o governo está a...

quinta-feira, 28 de junho de 2012

do perigo do zapping


Em pleno zapping de final da noite, deparei na TVI24 com as opiniões de Marques Mendes. Comentava o "ilustre" e "independente" politico do PSD a moção de censura do PCP. E explanava logo, naquele estilo MRS já conhecido há anos e que a TVI plagia, que lhe ocorriam três argumentos: o primeiro argumento era que tinha sido um "monumental tiro no pé" por parte do PCP...
Desliguei logo a televisão, não fosse Marques Mendes demonstrar que a Moção de Censura do PCP afectou a saúde dos portugueses (segundo argumento) ou que da censura dos comunistas resultaria fenómenos climáticos como uma vaga de calor (terceiro argumento).
As opiniões de Marques Mendes são uma espécie de ... um ejaculado. Resultam de uma intensa, e esforçada, "manipulação" do "pequeno". Mas com água não deixam marcas.
E a propósito de Marques Mendes, lembro-me de uma história caseira de há alguns largos anos. Os mais novos receberam de prenda um ratinho branco a que alguém, vá-se lá saber quem e porquê, chamou de ... marques mendes. Era um ratinho frenético, na sua gaiola rodando incessantemente num interior de um tambor circular, que fez as delícias da pequenada e despertou sorrisos nos mais velhos. Durou pouco. Um dia, apareceu estrangulado na parte de trás do tal cilindro, vitima do excesso de entusiasmo. A partir daí, ratinhos nunca mais. Nem coelhos.

fotografia

Rua Fernandes Tomaz, Porto, Portugal

Jean Ferrat - Nuit et Brouillard



Animação vídeo de uma banda desenhada de Adriana Dias, sobre a canção "Nuit et brouillard", cantada e composta por Jean Ferrat com versos de Aragon.

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Paraguai: outro golpe engendrado pelo Império

Carlos Aznárez - Director de “Resumen Latinoamericano”

A direita oligárquica paraguaia atingiu finalmente o seu objetivo: o presidente Lugo foi derrubado sem pena nem gloria. Sobretudo sem a última.
Este golpe palaciano, executado em tempo record, não é apenas produto de uma manobra dos sectores mais retrógrados da política local, firmemente ancorados nas ideias da ditadura stroessnista, que governou o país durante 35 anos e prolongou a sua presença nos governos que lhe sucederam, mas surge também como resultado de uma estratégia ofensiva que o imperialismo norte-americano vem desenvolvendo em todo o continente.
¿Porque fazemos esta afirmação? Se nos detivermos um instante a observar o mapa latino-americano, e virmos as últimas iniciativas empreendidas pelo Comando Sul, no sentido de ir instalando bases em cada um dos países que consideram chave para desenvolver as suas tarefas de ingerência, dar-nos-emos conta de que o sucedido no Paraguai é a consequência lógica de um novo dispositivo de ocupação territorial. Aos antigos enclaves militares em que ondula a bandeira norte-americana e onde se confundem instrutores americanos com tropas do país que os acolhe, têm vindo a acrescentar-se agora as bases de “ajuda humanitária” que abrem caminho - com claras cumplicidades locais - à presença explícita ou encoberta dos invasores.
A isto vêm juntar-se os diversos reveses eleitorais às mãos da direita que se vêm verificando nos últimos dois anos em vários países, como consequência da reacção imperial face à saudável experiência dos povos que conseguiram instalar durante mais de uma década, por meio do voto directo, governos revolucionários e progressistas. Mas se fizermos hoje o balanço a quantas dessas experiências hoje se mantêm ficaremos surpreendidos. A direita já governa Chile, Paraguai, Panamá, Guatemala, Costa Rica, Honduras, Colômbia e México, enquanto se encontram em processo de transição - por debilidade ideológica ou por simples traição aos seus objectivos de origem - Perú e El Salvador, cujos representantes elogiam persistentemente Washington, em detrimento da aliança anti-imperialista forjada nos países da ALBA.
É então neste quadro que se verifica o golpe no Paraguai. Mas existe aqui um outro elemento que não pode deixar de ser mencionado, e que diz respeito ao papel que desempenhou o próprio presidente Lugo. Por altura da construção da aliança que o levou ao Governo, ficou claro que esta assentava em dois importantes sectores: por um lado o movimento popular nutrido especialmente pelo combativo campesinato paraguaio, esse mesmo que constituiu uma dor de cabeça para o ditador Stroessner e para os latifundiários do Partido Colorado. Na outra plataforma desta mesma coligação, estava o centro-direitista Partido Liberal Radical Autêntico (PLRA). Uma plataforma que no essencial continua a sustentar os postulados ideológicos da sua casa matriz, os colorados stroessnistas. Foram eles precisamente quem colocou na posição-chave - a vice-presidência - Federico Franco, o Judas que agora se apropriou do poder em consequência do golpe parlamentar, militar, judicial y eclesiástico.
As hostes do luguismo sustentaram desde sempre que essa coligação eleitoral era necessária, porque sem ela seria impossível vencer a oligarquia do Partido Colorado. O problema é que, uma vez no governo, as concessões feitas foram ostensivamente inclinadas no sentido desse sector. O próprio Lugo, que quando era bispo em San Pedro se tinha comprometido a conseguir a reforma agraria e outras reivindicações para “o seu povo camponês “, foi lentamente virando as costas a estas reclamações. Mais ainda, não teve dúvidas em elaborar novos projectos de lei para reprimir aqueles que o interpelavam pelo incumprimento das suas promessas.
Antes de se chegar ao recente massacre de Curuguaty, houve numerosas e graves acções de violência estatal contra o campesinato, que depois de um primeiro ano de espera e frustração, se decidiu a fazer aquilo que marca a história do Paraguai contemporâneo: ocupar terras para sobreviver num país onde 20% de las famílias agrárias da oligarquia são donas de 80% do território. Situação que se tem vindo a agravar devido à falta de resposta estatal face à invasão que os “polvos sojeiros” (denominados “brasiguayos”) realizam a partir do Brasil, que não hesitaram em expulsar os camponeses paraguaios dos poucos hectares que lhes pertenciam.
Para deter as reclamações e protestos camponeses, Lugo viu-se pressionado a aceitar as receitas do Imperio, patrocinadas pela oligarquia latifundiária colorada. Foi assim que foram aprovadas a lei antiterrorista e a militarização do norte paraguaio, com a consequente detenção arbitrária de centenas de camponeses, ou a criminalização permanente daqueles dirigentes históricos que exigiam que fosse detida a repressão. Para “capacitar” ainda mais a polícia paraguaia Lugo abraçou-se ao seu colega Uribe Vélez, e deu início a um intenso tráfego de instrutores do temível DAS colombiano, justamente no momento em que os países da ALBA condenavam o governo colombiano por dar luz verde a novas bases norte-americanas no seu território.
Lugo foi optando, por fraqueza ou por falta de vontade política, por exercer um mandato muito condicionado. Embora parecesse, no exterior, partilhar do pensamento rebelde dos países que enfrentam diariamente o Imperio, na sua prática local enredava-se constantemente numa teia de aranha que o foi afastando daqueles que mais o apoiaram.
O que sucedeu em Curuguaty foi a gota de água que fez trasbordar o vaso. A polícia stroessnista, que Lugo não soube ou não pode depurar, montou um dispositivo repressivo -como tantos outros, salvo que neste se defrontou com resistência camponesa- e o resultado foi um massacre. Face a estes graves acontecimentos Lugo preocupou-se mais em acalmar os protestos do latifundiário colorado Blas Riquelme e em dar os pêsames pelos policias mortos do que em consolar os familiares dos onze camponeses assassinados e em alguns casos, anteriormente torturados. Mais ainda: em declarações pronunciadas nas primeiras horas, não teve dúvidas em criminalizar quem ocupava terras - sabendo que as mesmas eram mal apropriadas - como resultado de reivindicações históricas que nunca foram tidas em conta. Dos acontecimentos de Curugaytí resultaram também numerosos detidos, que foram também torturados, e que são agora acusados de homicídio.
Se alguma coisa faltava para demonstrar que o ex-presidente - aquele que legitimamente tinha sido eleito pelos sectores populares - já não governava, vieram as nomeações de um novo ministro do Interior e do chefe da polícia, ambos comprometidos com a corrupção e a repressão desenvolvida durante anos pelo partido Colorado.
Com todos estes ingredientes, e com a decisão dos seus aliados do PLRA de virar-lhe definitivamente as costas, a queda de Lugo foi uma questão de horas. Apesar disso, demonstrando uma vez mais a nobreza do sofrido povo paraguaio, milhares de camponeses cortaram estradas e mobilizaram-se a caminho de Asunción, rejeitando o julgamento político a um Presidente no qual já não confiavam, mas que preferiam mil vezes ao regresso dos herdeiros de Stroessner. Face a este levantamento patriótico emergente, Lugo volta a defraudar o seu povo e suicida-se literalmente. Não resiste nem apela à resistência. Aceita mansamente, ao contrário do que fez o seu colega Zelaya, a decisão dos golpistas, com a desculpa de mau pagador de não contestar a justiça. Nem sequer opta por jogar a carta possível de rebelar-se, sabendo que contava não apenas com o apoio do povo nas ruas mas que tinha igualmente a seu favor a solidariedade unânime dos governos da UNASUR.
Agora que as cartas já estão jogadas e que o Paraguai se converteu numa nova Honduras, seguramente que o campesinato e os trabalhadores do Paraguai serão quem vai sofrer as piores consequências dos acontecimentos mas, tal como o têm feito ao longo de décadas, terão que investir toda a sua imaginação em novas fórmulas de resistência.
No Paraguai o imperialismo voltou a comprovar a si próprio quão fácil lhe é conseguir derrubar um governo, e deixa o aviso de que continuará a tentá-lo em outros países do continente.
Por sua vez, estes acontecimentos sugerem várias conclusões que são indispensáveis ter em conta:
1) As limitações de governos que não se decidem a avançar, pela mão dos seus povos, no enfrentamento com o Imperio (como o têm feito, e bem, Venezuela, Bolívia, Equador e Nicarágua, ou como sempre o tem demonstrado a Cuba socialista). Nesse sentido, de pouco servem os acordos ou autorizações que se concedem no continente às transnacionais, que actuam como quinta coluna dos interesses do capitalismo selvagem;
2) Não é possível governar se não se saneiam (ou pelo menos se tenta fazê-lo) as instituições centrais que durante anos têm estado ao serviço da direita oligárquica e pró-imperialista de cada país. Justiça, Forças Armadas, Igreja, Meios de comunicação, acabam por ser o estímulo a partir do qual se desestabilizam os processos de mudança no continente. As experiências paraguaia e hondurenha constituem o melhor exemplo disso.
3) Não serve de nada que, face à necessidade de alcançar o poder, se estabeleçam alianças contra natura. Tarde ou cedo, essa circunstância golpeará como um boomerang a cabeça daqueles que a engendraram.
No Paraguai inicia-se outra etapa, na qual a solidariedade latino-americana - a popular e também a diplomática - não deve ceder na ideia de apoiar as reivindicações dos mais humildes na sua luta pela terra e contra o latifúndio, em exigir que cesse a repressão e o paramilitarismo, em reclamar a saída do país dos agentes imperialistas da USAID e o encerramento da base ianque em Mariscal Estigarribia. É também de extrema urgência, na actual conjuntura, conseguir, através da pressão internacional, a libertação imediata dos presos políticos que há anos jazem nos cárceres do país, entre os quais os seis camponeses extraditados da Argentina, que a injustiça paraguaia quer condenar a prisão perpétua. Para eles, no imediato, torna-se imprescindível solicitar que possam ser visitados por organismos de Direitos Humanos para verificar o seu estado de saúde, porque não constitui qualquer exagero imaginar-se que venha a descarregar-se sobre os seus corpos todo o ódio da oligarquia paraguaia agora no Governo.

o PSD actual

Uns (felizmente poucos) matam. outros (infelizmente muitos) esfolam, e uns poucos plagiam.

terça-feira, 26 de junho de 2012

PAREDES - imagens





A sede de uma Associação Juvenil afecta ao PSD e que por dívidas insolúveis se extinguiu. E como muito do que acontece em Paredes a obra está sem dono, sem responsável, "solteira"

José Afonso - Os Índios da meia praia




(em Avante, de 23 de fevereiro de 2012)

Altos negócios ameaçam aldeia dos «índios»
Resistentes da Meia Praia

Um grupo capitalista, que ostenta ligações ao poder político, age impunemente na Meia Praia. Contra a destruição do Bairro 25 de Abril, os moradores têm hoje a mesma união que há mais de 30 anos lhes garantiu o direito a viver em casas dignas. O PCP continua ao seu lado.

No final de Novembro, em resposta ao deputado do PCP eleito pelo Algarve, a ministra Assunção Cristas colocou-se ao lado dos interessados em expulsar da Meia Praia as famílias de pescadores que habitam no Bairro 25 de Abril. Paulo Sá questionara o Governo sobre a falta de obras de requalificação (em particular, o não asfaltamento das ruas) e o corte de um caminho centenário (a deixar cerca de um terço da bela baía para uso exclusivo do Palmares Golf Resort, um empreendimento turístico de luxo).
O Governo evocou o Plano de Urbanização da Meia Praia, de 2007, e deu assim toda a cobertura à posição da Câmara Municipal de Lagos, a quem aquele PUMP foi oferecido... pela empresa Palmares. Ali se escreveu que «a área actualmente ocupada pelo Bairro SAAL – 25 de Abril, será renaturalizada, após realojamento da população residente».
A governante também invocou a Rede Ecológica Nacional, para explicar o impedimento ao asfaltamento das ruas. Mas não fez qualquer referência aos diplomas que determinam a utilidade pública dos terrenos, dão total legitimidade e legalidade à construção do bairro e atribuem à Câmara Municipal a responsabilidade das infraestruturas.
«A ideologia classista condenou o bairro à exclusão social», comentou, no blogue da concelhia do PCP, José Veloso, autor do projecto SAAL na Meia Praia. O arquitecto comunista, autor de contundentes e esclarecedores artigos na imprensa local e regional, acompanhou a reportagem do Avante! no bairro, na passada sexta-feira, e tem ali estado frequentemente, com outros camaradas.Ainda no dia 22 de Outubro houve uma sessão do Partido, no Centro Comunitário do CASLAS (uma IPSS com forte implantação no concelho), onde foi mostrado um filme sobre a construção do bairro.
O PCP ofereceu à Associação de Moradores um dossier com a legislação aplicável e um cartaz, colocado desde Novembro no largo principal. Um comunicado do Partido sobre este problema está afixado no café, ponto central do convívio de jovens e de seniores.
Numa breve volta pelas ruas, até ao «muro da vergonha» erguido ilegal e impunemente pela empresa proprietária do resort vizinho, fomos saudados amistosamente. José Veloso cumprimentou ainda alguns moradores do grupo inicial de construtores do projecto que liderou há três décadas e meia.Contaram-nos que o actual presidente da Câmara, eleito em 2001 por escassos cem votos, que muito se esforçou por angariar com promessas de resolução dos problemas do bairro, há muito tempo não é ali visto. Pelo contrário, muitos recordam que o PCP nunca deu motivos para nele perderem a confiança.

História dá ânimo

Começaram a chamar «índios» aos pescadores que, no início da década de 1970, vieram de Monte Gordo e assentaram arraiais na Meia Praia. Tinham isco e marisco na Ria de Alvor, tinham peixe na Baía de Lagos...e tinham a GNR à perna, a destruir-lhes as barracas cobertas de junco, apanhado nas dunas. O colmo dava uma aparência de aldeia de índios. Resistentes, tanto quanto a sobrevivência exigiu, foram conquistando o espaço.
A revolução de Abril significou, para estes «índios», o direito a terem ali casa digna. Em Agosto de 1974 foi lançado no País o SAAL (Serviço Ambulatório de Apoio Local). José Veloso agarrou esse instrumento e levou a Meia Praia para um processo de participação popular, ainda hoje referenciado quando se trata de habitação social e que deu fama internacional a grandes arquitectos. No Bairro 25 de Abril as casas foram entregues em 1978 a 41 famílias.Estes moradores fizeram tudo dentro da lei, trabalharam e pagaram, como lhes foi exigido. Tiveram apoios do Estado e têm direitos. Herdeiros de uma história de resistência, os «índios» de hoje estão dispostos a ir à luta, sabendo que as forças são muito desiguais, mas conscientes também de que a sua causa é justa.

Palmares quer dizer...
Em 1975 implantou-se um campo de golfe na Quinta de Palmares, até aí a maior propriedade agrícola da Meia Praia. Em 2006, a empresa foi comprada pela Onyria, de José Carlos Pinto Coelho, nascida para o negócio no turismo em 1985, na Quinta da Marinha. Cavaco Silva inaugurou aqui um segundo hotel de luxo deste grupo, a 1 de Abril de 2011.
A 11 e 12 de Junho de 2011, a Onyria abriu o Palmares Golf, primeira parte de mais um dos mal afamados PIN (Projectos de Interesse Nacional) de Pinho e Sócrates, e aponta a próxima inauguração para o Verão de 2013 – um hotel de cinco estrelas.
José Carlos Pinto Coelho é presidente da Confederação do Turismo Português, em representação da Associação da Hotelaria de Portugal. A 27 de Setembro do ano passado recebeu do Governo uma medalha de mérito turístico.A Bloomberg aponta-o como conselheiro económico do actual primeiro-ministro.Outro agraciado foi Henrique Montelobo, antigo dirigente daquelas duas associações patronais, homem forte da Sonae Turismo por mais de uma década (destacando-se nos empreendimentos de Tróia), antigo director-geral do Turismo e hoje administrador da Onyria. A Onyria expandiu-se também na saúde, com o SMP – Serviço Médico Permanente, líder nos serviços domiciliários.



Roberto Chichorro

CHICHORRO
Título da obra: LUAR VIOLADO COM GAIOLA
Datado frente e verso: Ano 1990
Técnica: Acrílico sobre tela
Dimensões: 100 x 80 cm
Particular

A MINHA OSGA

Não sei se já alguma vez vos contei, mas tenho uma osga. Como os outros têm um cão ou um gato, eu tenho uma osga como animal de estimação. Mede 12 cm. dos quais 6 são a cauda. A minha osga é uma osga vulgar, também chamada osga moura, embora não use véu. Quando o companheiro com quem vivia morreu esmagado, pelos pneus de um autocarro dos TST, mesmo em cima de uma passadeira para peões, ainda usou durante algum tempo um lenço preto, mas assim que chegou a época das hormonas aos saltos, Junho e Julho, retirou o lenço, deitou mãos à vida, aparecendo por vezes lá em casa com uma osga turca, que não sendo da mesma espécie, deve fazer o mesmo efeito, para a finalidade a que se destina.
Passeio com ela pelo jardim, deixo-a fazer cócó no meio dos passeios, quando os carros estacionados o permitem, ensinei-a a levantar a cauda e uma das patas à vez, para fazer chichi, dou-lhe carne de coelho crua para reforçar o seu lado selvagem, enfim, é a minha melhor amiga. Tem um grande defeito, gosta de silvar aos cães e correr atrás deles. Uma vez, o cão do marido da minha vizinha, ia tendo um ataque cardíaco quando viu o bicho a correr atrás dele, a silvar, como se fosse um comboio a vapor.
Do que mais me orgulho do que lhe ensinei até hoje, foi o fato de ela enviar diretamente para a TV aquele esguicho peçonhento que elas possuem para se defenderem, sempre que vê o Coelho. Quando vê o Gaspar dá dois esguichos. Depois de me ter estragado dois ecrãs de TV, resolvi colocar uma película transparente à frente do ecrã, mas a tipa é inteligente e um destes dias apanhei-a por baixo da película a cagar, na cabeça do mais alto magistrado da nação. Como sempre, quando é apanhada a fazer algo que não deve, enfia a cabeça debaixo do corpo e dá à cauda. Por vezes penso se não estará a mangar comigo.
Nos últimos tempos resolvi colocá-la à experiência para ver se ela teria, tal qual outros bichos que vão aparecendo nos média, o condão de adivinhar os resultados do europeu de futebol. Então não é que a bicha acerta sempre! O método seguido é o seguinte: coloco um pequeno tabuleiro dividido em duas partes rigorosamente iguais a cerca de 90 cm. de lonjura. Tem que ser 90 cm, pois qualquer outra distância baralha-a. Em cada parte do tabuleiro coloco uma bandeira dos países em confronto. Na bandeira onde a magana faz cócó, já sei que essa seleção vai ganhar. Até agora onde ela deixou mais merda foi na Alemanha.
Nestes jogos dos quartos de final, acertou em três resultados e deixou-me completamente baralhado no prognóstico do jogo da Itália contra a Inglaterra, pois a bicha chegava ao tabuleiro e fazia um chichi em cada bandeira. Só no final do jogo é que percebi o motivo de tão estranho comportamento: foram a penáltis. O certo é que quando começaram a marcação das grandes penalidades, o animal sorriu e, de seguida, abriu e fechou a boca 3 vezes. Este é o sinal que ela me dá, quando entende que merece por mérito uma sobremesa gourmet. Dei-lhe um pouco de coelho de vinagrete enrolado em relvas finas.
Já lhe fiz o teste das meias finais. Não em relação à seleção portuguesa, porque quero seguir as incidências do jogo sem estar condicionado. Fi-lo em relação ao Alemanha versus Itália. Então, não é que a bicha vai sempre colocar religiosamente o seu cócó na Itália. Pela primeira vez a osga não caga na Alemanha.
Se por um lado fico contente por uma possível eliminação dos boches, por outro lado dá-me pena, tristeza, que tendo ela oportunidade de cagar na Alemanha, não o faça.

(Álvaro Santos em pracadobocage.wordpress.com)


segunda-feira, 25 de junho de 2012

Pergunta

Será verdade que os semáforos do centro de Paredes estão desligados há mais de um mês por falta de dinheiro na TESOURARIA DA da CÂMARA MUNICIPAL?????

Sábado saberemos a resposta. Ou não.

Penafiel - imagens

















O Estádio 25 de Abril em Penafiel apresenta este estado deplorável para a imagem da cidade e do Clube de Futebol. A autarquia gere assim o espaço público. Uma vergonha para os penafidelenses nomeadamente para os milhares que votam PSD e CDS. Uma responsabilidade para os Directores do Futebol.

Governo Passos/Portas – A arte de fazer a festa... lambendo as próprias botas




Ofuscado pelo habitual “brilho” e repercussão mediática das sua frases-feitas pretensamente vistosas, Paulo Portas nem se terá dado conta do significado profundamente canalha da sua tirada:

«Este foi um ano muito difícil. A boa notícia é que metade já passou»

"Esquece-se" o ministro de que esta metade do ano que já passou, tendo sido um pesadelo para os muitos milhares de trabalhadores que o seu governo se encarregou de espoliar, mais os outros milhares a quem criou a “oportunidade” do desemprego, mais os outros a quem acelera a morte por falta de assistência médica próxima e capaz, mais os jovens a quem empurra para a emigração...não foi, de facto, igual para todos.
Na verdade, para muito dos amigos e patrões do ministro e do seu governo, esta metade de 2012 não é uma boa notícia por já ter passado, mas sim por ter acontecido... pelo menos a ver pelos ganhos fabulosos que estão a retirar da chamada crise e da desgraça de milhões de portugueses.

Não se esperaria melhor, nem do demagogo populista Paulo Portas, nem da
«cerimónia de propaganda», como bem lhe chamou Vasco Cardoso, em que esta frase foi produzida. Uma cerimónia lamentável em que o governo de lacaios da “troika” se encarregou de, copiosamente, lamber as próprias botas.


(em samuel-cantigueiro.blogspot.com)

noticias da guerra social

Cavaco Silva foi apupado por duas vezes no norte - Política - Notícias - RTP

força Portugal!

O orçamento da Federação Portuguesa de Futebol para 2012/2013, foi ontem aprovado com um aumento de 700% com os gastos de todos os órgãos estatutários da FPF . A direcção anterior, liderada por Gilberto Madaíl, gastou em 2011/2012 pouco mais de 230 mil euros.
Logo: os "
órgãos da Federação custam 1,8 milhões", por ano!..
Logo: é compensador ser dirigente da FPF... Mas, quem paga isto
?




(em outramargem-visor.blogspot.pt)

domingo, 24 de junho de 2012

Karen Souza - Creep

CONVOCATÓRIA DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE PAREDES

Sessão Ordinária, dia 30 de Junho, pelas 14h30

Ordem do dia

1- Relatório de actividades municipais e situação financeira do município
2- Modificação ao orçamento ano 2012 – 1.ª revisão ao orçamento da receita , despesa, PAM e PPI – para discussão e votação
3 – Empréstimo BEI- para discussão e votação
4 – Agência Municipal de Investimentos de Paredes- relatório de gestão consolidado – ano 2011- para discussão e votação
5 – Plano de pagamentos a que se reporta o artigo 16.º da lei 8/2012, de 21 de fevereiro – para discussão e votação
6- Regulamento de acesso ao Parque Empresarial de Paredes em Baltar/Parada - para discussão e votação
7 – Primeira alteração ao Plano de Urbanização de Cete/Parada - para discussão e votação
8 – Sinalização vertical e horizontal nas ruas de Rebolido, Talhô, Alto da Portela e Arcela – freguesia de Gondalães - para discussão e votação
9 – Trânsito no Largo de Santa Águeda, na via de acesso ao cemitério, freguesia de Recarei
10- Trânsito na Avenida das Fontainhas e Rua de Costa Cavada , freguesia de Rebordosa - para discussão e votação
11 – Sinalização vertical em várias vias na freguesia de Vilela - para discussão e votação
12 – Trânsito na Rua da Fábrica na freguesia de Vilela - para discussão e votação

SUGESTÃO DE LEITURA


A biografia de Carlos Cardoso publicada em 2004 pela Editorial Caminho (“É proibido pôr algemas nas palavras”, de Paul Fauvet e Marcelo Mosse) merece ser lida atentamente. Contém de forma exaustiva documentos e análises históricas.
Carlos Cardoso (1950-2000) foi um jornalista moçambicano, natural da Beira, que se formou do ponto de vista escolar na África do Sul do apartheid, e adquiriu aí consciência politica com um forte sentido anticolonialista e anti-racista. Após a independência de Moçambique, assumiu em Moçambique um jornalismo militante, ético e crítico, mas sobretudo com o propósito de informar e formar novos leitores, novos cidadãos. Com um afastamento das políticas oficiais da Frelimo dos finais dos anos 90, após a morte de Samora Machel, traduzida numa candidatura autárquica independente em Maputo, Cardoso cria e utiliza uma imprensa independente, com edições por fax (o Mediafax e o Metical) onde expõe casos de corrupção e de utilização indevida dos bens públicos. As privatizações induzidas pelo Banco Mundial e FMI trouxeram a Moçambique uma mudança de paradigma, pondo em causa a crença de Cardoso na Justiça e num mundo melhor. Cardoso foi assassinado por figuras importantes da política, dos negócios privados, das estruturas judiciais e do aparelho policial. A sua voz foi calada. Mas perdura o exemplo.

PCP CONDENA TENTATIVA DE GOLPE DE ESTADO NO PARAGUAI

O PCP repudia com veemência a tentativa em curso de consumação de um golpe de estado no Paraguai, por via da abertura pelo Parlamento em Assunção de um processo sumário de impugnação visando a destituição do Presidente democraticamente eleito, Fernando Lugo. O PCP junta a sua voz a todos quantos exigem o respeito pela vontade popular.

22 de Junho de 2012

Gabinete de Imprensa do PCP

coesão

Foi apresentado recentemente no meu local de trabalho o Projecto de Rede de Hipocoagulação Oral no Cuidados de Saúde Primários. Trata-se de uma estratégia de prestação de cuidados médicos a aplicar, remetendo para as Unidades de Saúde dos CSP (Cuidados de Saúde Primários) funções atribuídas tradicionalmente aos Hospitais. O ganho é evidente, tanto em custos directos das consultas como nas deslocações dos utentes, bem como liberta instalações e recursos humanos hospitalares para outras prioridades.
A hipocoagulação oral permite reduzir riscos de AVC´s em doentes específicos (patologia, idade) mas exige uma monotorização adequada, nas referidas consultas. Estamos perante um autêntico ovo de Colombo, que exige formação clinica adequada aos profissionais de saúde, informação aos utentes e á população e implementação da tal Rede de Hipocoagualação Oral, aparelho de medição e sistema informático.
Esta Rede foi inicialmente implementada no Algarve, estendeu-se totalmente ás Unidades de Saúde dos CSP dos distritos do Interior, começa a implementar-se progressivamente em Porto, Braga, Coimbra, Leiria e Setúbal, mas não inclui qualquer unidade de Lisboa e Santarém. O grande esforço pedido assim ao País, a contensão pedida á utilização de recursos financeiros limitados, a preocupação com os reais interesses de utentes, sobretudo idosos com mais de 75 anos, esbarra com a indiferença, a inimputabilidade dos interesses instalados, em Lisboa e Santarém. Para análise, compreensão e intervenção dos interessados, a bem da coesão nacional.

CR

sábado, 23 de junho de 2012

Relvas, Roseta e Passos Coelho



De arrepiar. FdP...

PROPOSTA

Perante o culminar do roubo do subsídio de férias aos trabalhadores da Administração Pública, proponho-te um Concerto de Latas, Panelas e Tachos pelas 21h30 de cada Quinta Feira frente á tua Camara Municipal, para todos os trabalhadores afetados e outros indignados. O Concerto durará 30 minutos.

Gem Club - 252



Álbum Breakers, de 2011

sexta-feira, 22 de junho de 2012

COMENIUS ... PAREDENSIS


Município de Paredes apresentou resultados finais do Projecto “Comenius Regio MIDAS”. Revelou assim o Gabinete de Comunicação da Câmara em comunicado de imprensa. Parecia coisa grande. Era um Projecto da Comissão Europeia, da Câmara de Paredes e de diferentes parceiros (de Portugal e Espanha). Início em 2010 e final em setembro de 2012. Objectivo: “ Melhorar a inclusão – Diminuir o abandono”. Através do intercâmbio de experiências e boas práticas entre regiões e municípios, com responsabilidades educativas…

Resultado final: A elaboração de um manual de boas práticas, com base em workshops e inquéritos a intervenientes do processo educativo, que provam que um ambiente escolar saudável e a ligação /pertença à escola previnem o bullying, o insucesso escolar e o abandono precoce.

Brilhante e inovadora conclusão. Não foi preciso esperar pelo final do Projecto. O Comenius pariu um ratinho. Um manual de boas práticas que qualquer estagiário de ciências de educação ou trabalho de campo universitário já teria elaborado um milhar de vezes. Mas assim Paredes surge no mapa da Pedagogia. Tanto brilhantismo ainda nos há-de levar ao Céu.

REFLEXÃO CERTEIRA DE MIGUEL TORGA

The Rolling Stones : Sympathy For The Devil

quinta-feira, 21 de junho de 2012

ALEMANHA


Catastroika - 2012 Parte 2

REFLEXÕES DE FIDEL

O Universo E Sua Expansão

20 Jun 2012

Eu respeito todas as religiões embora não sejam professadas por mim.
Os seres humanos procuram uma explicação da sua existência, desde os mais ignorantes até os mais sábios.
A ciência procura continuamente explicações sobre as leis que regem o universo. Nestes instantes é visto num momento de expansão, que começou há perto de 13,7 biliões de anos.


Fidel Castro Ruz

FILME - NA CIDADE VAZIA




Na Cidade Vazia (Hollow City) é um surpreendente filme angolano de 2004, premiado em inúmeros certames e que se pode ver na NET.


Realização - Maria João Ganga

Produção - François Gonot

Intérpretes: Domingos Fernandes Fonseca, Júlia Botelho, Ana Bustorff, João Roldan, Raul Rosário

Em 1991, um grupo de crianças refugiadas de guerra, acompanhadas por um freira, seguem num vôo do Bié rumo a Luanda, capital de Angola. Ao chegarem ao aeroporto, N'dala, um menino de 12 anos, consegue fugir do grupo e parte para descobrir a cidade. Enquanto a freira empreende uma investigação na tentativa de encontrá-lo, acompanhamos N'dala em sua jornada pelas ruas movimentadas da capital.


É lá que ele conhece o velho pescador Antonio, que o ajuda e com quem faz amizade. Também cruza com pessoas mal-intencionadas que tentam prejudicá-lo. O grande sonho do menino é voltar para a aldeia de onde teve de fugir e na qual seus pais foram mortos. O enredo proporciona um mergulho na conturbada situação política de Angola e nos efeitos da guerra para seus habitantes.

quarta-feira, 20 de junho de 2012

filme


MIDWAY : trailer : a film by Chris Jordan from Midway on Vimeo.

Catastroika - 2012 - leg. em português - Parte 1

INÚTIL, SEMPRE INÚTIL

“Homem morre em queda de 24 metros”. O operário colocava placas de esferovite no revestimento exterior do prédio em Paredes. Estava no 8.º andar trabalhando sem segurança num andaime sem proteção. Quando o acidente ocorreu eram 8 horas e 30 trinta minutos de uma aziaga segunda feira.
Depois do acidente, compareceram no local os inspetores da Autoridade para as Condições de Trabalho, a GNR, muitos anónimos, os responsáveis da obra, os responsáveis do condomínio. O ambiente foi certamente de consternação e pesar. A família, a mulher e um filho adulto, choram o familiar acidentado.
Os inspetores, diligentemente, elaborarão o relatório que atestará ou não o cumprimento das regras básicas de segurança. Os colegas de trabalho lamentarão o sucedido, invocando os favores da sorte ou da proteção divina. Os responsáveis da obra aliviarão a consciência com uma prece adicional pelo destino da alma do sinistrado. E substituirão o nome da folha de vencimentos. Pragmaticamente.
Chamava-se Baltarejo, tinha 51 anos, morava em Gandra, Paredes, não o conhecia. Não sei se rejubilava com os êxitos da seleção de futebol. Vivia em 2012 em Portugal. Triste destino. Infelizmente, morte inútil.

terça-feira, 19 de junho de 2012

noticias da guerra social

A POPULAÇÃO DE ÁLCACER DO SAL ESTEVE EM VIGÍLIA, FRENTE AO TRIBUNAL, ONTEM Á NOITE, CONTRA A EXTINÇÃO PREVISTA NA PROPOSTA DO GOVERNO DE REORGANIZAÇÃO DO MAPA JUDICIÁRIO. NO ALENTEJO, PODEM FECHAR NOVE TRIBUNAIS: ÁLCACER DO SAL, SINES, MÉRTOLA, ALMODÔVAR, ARRAIOLOS, PORTEL, CASTELO DE VIDE, AVIS E NISA. (dos jornais)

TEXTO



O negócio das reformas

A ideia já foi lançada, e não por acaso pelo presidente executivo da AIG, um dos impérios financeiros que esteve na origem da actual crise: os governos devem, montando as costas largas da crise financeira, aumentar a idade da reforma "para os 70, 80 anos". Os cidadãos europeus que se vão, pois, habituando à estimulante ideia de entregar durante 50 ou 60 anos parte dos seus salários ao Estado ou a um grupo financeiro - até onde continuar a ser possível discernir uma coisa da outra - e só começar a receber de volta, em suaves prestações mensais, o resultado desse investimento mediante apresentação da certidão de óbito.
Para o CEO da AIG, o céu é o limite. Tomando como exemplo a Grécia, recomenda uma nova receita austeritária: pôr "as pessoas a trabalhar mais tempo e [retirar] essa carga aos jovens" ("carga" há muito retirada pelo programa da troika: o desemprego jovem na Grécia já é superior a 50%).
Mas a Grécia é, de facto, um bom exemplo. Os gregos têm, conforme dados citados pela "Dinheiro vivo", uma esperança média de vida de 81,3 anos. Reformando-se aos 80, o Estado e as seguradoras a quem terão confiado, durante décadas de vida e de trabalho, os seus descontos, só lhes pagariam, em média, um ano e quatro meses de pensões.
Imagine-se quantas pagariam em Portugal, onde a esperança média de vida é, segundo os últimos números do INE, de 79 anos.

(JN, de 19 de junho de 2012)

Pierre Aderne e Jorge Palma - Preciso mentir que te amo

apontamentos dispersos para a biografia de Cavaco Silva (XXIX)

A Desculpa Esfarrapada do dr. Cavaco

O dr. Cavaco Silva resolveu ontem, ao arrepio do seu juramento de cumprir e fazer cumprir os preceitos constitucionais, promulgar uma série de alterações ao Código de Trabalho que facilitam os despedimentos, aumentam a exploração e reduzem de uma forma geral os salários dos trabalhadores portugueses. Que essa seja a bitola da sua acção política, ninguém estranha. Toda a gente sabe que este senhor nunca foi outra coisa senão um dos mais vigorosos carrascos políticos dos direitos trabalhadores e do povo. Agora, a coisa muda de figura quando o dito senhor resolve justificar a sua lamentável opção não com o assumir da sua bitola politico-ideológica, mas com uma das mais esfarrapadas desculpas que me lembro de alguma vez ter lido da parte de um presidente da república.

Segundo o jornal Público, o dr. Cavaco lembrou “que o diploma foi aprovado na Assembleia da República com os votos favoráveis da maioria de Governo, do PSD e do CDS, com a abstenção do PS, “tendo votado contra apenas 15% dos deputados.” Ou seja, terá pesado na decisão do presidente o facto de a coisa ter sido rejeitada por poucos.

Ora, posto isto, talvez fosse bom reavivar um pouco a memória e lembrar que estamos a falar do presidente que é recordista em vetos políticos. Vetos esses que significam, logicamente, a contradição da aritmética parlamentar, a negação ou rejeição do decidido pela maioria dos deputados em favor das minorias representadas. E aí, em pelo menos 12 circunstâncias, já não contou para nada o peso representativo, pelo contrário, já contaram os 15% (ou menos) de deputados que votaram em determinado sentido, fazendo-se vista grossa aos restantes 85% que então aprovaram tais projectos de lei.

Mas voltando à questão concreta que é esta promulgação de mais um conjunto de leis pró-esclavagistas, vê-se com efeito e uma vez mais que Cavaco não obedece a nenhuma outra coisa que não à sua cartilha ideológica. Como se comprovou pela sua posterior prática, o juramento de cumprir e fazer cumprir a Constituição não passou de um triste e repugnante acto teatral. A única coisa que o dr. Cavaco provou ao longo de todos estes anos como PM e como PR, foi de que está, esteve e continuará a estar, não ao serviço do povo ou em cumprimento da Constituição, mas ao serviço da direita e do capital, protegendo os grandes interesses e atacando quem vive do seu salário ou da sua pensão. Portanto, não queira agora o dr. Cavaco, com a sua habitual postura de cinismo e hipocrisia, vir tapar o sol com uma peneira. Nenhuma falácia justifica aquilo que não é mais do que puro e claro alinhamento politico-ideológico. Em vez de o dissimular que o assuma de uma vez por todas, e que na próxima oportunidade diga frontalmente aos portugueses: sim, não estou aqui para cumprir a Constituição, mas sim para servir os interesses dos meus amigos da banca, a política da direita e o memorando da Troika

(Ivo Rafael Silva, em adargumentandum.wordpress.com)

O PRESIDENTE QUE (NÃO) QUERIA FALAR

O PSD de Baião emitiu um comunicado curioso.
O PSD de Baião “associou-se” (segundo o tal comunicado) á manifestação da autarquia e das populações de Baião contra o encerramento do Tribunal, realizada no dia 10 de Junho. O Presidente do PSD de Baião, de nome Luís Sousa, até “abdicou” (segundo o tal comunicado) de fazer discurso em nome do PSD, numa de unidade. Mas confrontado com as críticas de autarcas de Baião ao governo do PSD, extensivas a outros domínios da governação, o Presidente Sousa sentiu-se “desrespeitado” (segundo o tal documento) e “ferido”. Daí a “repúdia” (fonte no tal comunicado)
O PSD de Baião está “preocupado” (mais uma vez segundo o tal comunicado) com o prejuízo das relações institucionais entre a Câmara e o Governo. O Presidente Sousa (ou melhor o PSD de Baião) não quer “politizar” (mais uma do tal documento) serviços como as Finanças e a Segurança Social, objecto de intervenção do autarca de Baião.
Porque a culpa do “desastroso estado económico e financeiro de Portugal” é do PS e de Sócrates, que “naturalmente obriga a reformas profundas” como o encerramento do Tribunal de Baião e do de outras dezenas localidades. Termina assim o comunicado do Sousa de Baião, que gosta certamente muito de Passos Coelho e de Portas, e que prescinde de falar em situação difícil mas não prescinde de se ouvir.
O PSD de Baião é uma gracinha…pena não ter vergonha na cara!

segunda-feira, 18 de junho de 2012

ALEXEIEV




Enquanto o desporto na era pós-soviética se transforma num circo com muito dinheiro, muitas prima donas e escassas vitórias, importa relembrar alguns dos grandes heróis do desporto soviético, orgulho de um povo. Vassili Alexeiev foi um deles.


Vassili Ivanovitch Alexeiev (nascido a 7 de janeiro de 1942, em Pokrovo-Chishkino, falecido a 25 de novembro de 2011, em Munique) foi um halterofilista russo, que competiu pela União Soviética. Pesava 160 Kg e media 1,85m. Era engenheiro de minas.
Alexeiev ganhou oito medalhas de ouro consecutivas em campeonatos mundiais e em Jogos Olímpicos (1970-1977). Ele também ganhou oito títulos europeus. No campeonato mundial de 1978, entretanto, não terminou a prova, como também nos Jogos Olímpicos de Moscovo de 1980, e retirou-se das competições.
Estabeleceu 79 recordes mundiais na categoria acima de 110 kg entre 1970 a 1977, o mais prolífico recordista em halterofilismo; incluem-se 17 na prensa olímpica ou desenvolvimento (movimento-padrão abolido em 1972), 4 no arranco, 27 no arremesso e 26 no total combinado (18 no triplo e 8 no duplo levantamento). Foi o primeiro halterofilista a superar a marca de 600 kg no triplo levantamento, em competição.
Alexeiev trabalhou como treinador entre 1990 e 1992. Sob sua liderança, a Equipa Unificada ganhou dez medalhas no halterofilismo nos Jogos Olimpicos de Verão de 1992, incluindo cinco ouros.
Em 1972 recebeu a Ordem de Lenine. Em 1993 foi eleito para o Salão da Fama da Federação Internacional de Halterofilismo.

o futebol visto pelos monty python

João Vieira (com música de Bill Evans)

Arte, 2004





João Vieira (Vidago 4 de outubro de 1934- Lisboa 5 de setembro de 2009) é, num país de poetas, o pintor que traz a escrita para a tela. Enraizado numa forte cultura literária e artística, desenvolve a sua obra em áreas como a pintura, o teatro e as ações espectáculo.
Com algumas passagens pelo ensino, as suas preocupações sociais levam-no a integrar a Secretaria de Estado da Cultura após o 25 de Abril.
Com um longo e vasto Curriculum, João Vieira é uma referência fundamental na pintura portuguesa contemporânea.

REQUERIMENTO II

EXMO SR. PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE PAREDES

Cristiano Manuel Soares Ribeiro, eleito pela CDU na Assembleia Municipal de Paredes, no âmbito do Artigo 60.º do Regimento da Assembleia Municipal de Paredes e nomeadamente da sua alínea b), que define os direitos dos membros da Assembleia, requer através da Mesa desta Assembleia ao Executivo Camarário o esclarecimento seguinte:

Em Vila Cova de Carros existem instalações que possuem uma Placa Identificadora da PRODER e da ADER-SOUSA
Tratar-se-ia a crer na referida placa de um Centro de Educação e Sensibilização Ambiental e Rural, com investimento nacional e comparticipação comunitária.
A sua utilização parece consistir agora e no futuro num reduzido campo de prática de golfe
Assim:
Quem é o proprietário das referidas instalações, e que compromissos tem a Câmara Municipal nessas instalações?
Que financiamento público suporta esse investimento, custo global e parcelar e que órgãos autárquicos o viabilizaram?
Que destinatário /utente o frequentará no futuro a crer tratar-se de equipamento de utilização pública e não privada?

Paredes, 16 de junho de 2012
O Membro eleito da CDU da Assembleia Municipal de Paredes
Cristiano Ribeiro

REQUERIMENTO

EXMO SR. PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE PAREDES

Cristiano Manuel Soares Ribeiro, eleito pela CDU na Assembleia Municipal de Paredes, no âmbito do Artigo 60.º do Regimento da Assembleia Municipal de Paredes e nomeadamente da sua alínea b), que define os direitos dos membros da Assembleia, requer através da Mesa desta Assembleia ao Executivo Camarário o esclarecimento seguinte:

Há cerca de 1 mês os semáforos que servem o cruzamento junto ao Quartel dos Bombeiros de Paredes, á capela da Senhora da Guia, ao Edifício do Eléctrico e Estação de Serviço da GALP encontram-se desligados.
Tal circunstância, inexplicável aos olhos do cidadão, constitui grave perturbação ao trânsito de e para o centro da cidade e envolve riscos de acidente, de diferente gravidade, com atribuição difusa de responsabilidades
Acresce o facto de perto se verificar a circulação prioritária de veículos de bombeiros, emergência médica e de socorro.
Assim:
Que razões justificam tão insólito procedimento de quem deveria assegurar o funcionamento dos semáforos?
Como pretende a Câmara Municipal colmatar de imediato tal anomalia?

Paredes, 16 de junho de 2012

O Membro eleito da CDU da Assembleia Municipal de Paredes
Cristiano Ribeiro

domingo, 17 de junho de 2012

INACREDITÁVEL

Um cruzamento no centro da cidade de Paredes tem uma situação insólita há cerca de 1 mês. Perto do Quartel dos Bombeiros, das bombas de gasolina da GALP e da capela da Senhora da Guia, os semáforos estão desligados há 1 mês. INACREDITÁVEL!

EI-LOS DE NOVO!

O ascenso de forças políticas com orientação fascista de extrema-direita, com um discurso violento, racista e xenófobo, constitui um traço significativo do tempo presente. A extrema direita cresce, aproveitando a crise do capitalismo e a abdicação da social democracia europeia dos princípios da coesão social, identidade nacional e desenvolvimento independente das nações. São inúmeros os factos, tanto no aspecto eleitoral como na vida pública, que o fundamentam.
Na Hungria o governo de direita impôs nova Constituição, reduziu a liberdade de imprensa e proibiu a greve. Milícias paramilitares fascistas do partido Jobbik estão autorizadas a aterrorizar minorias étnicas.
Em França Marie Le Pen, com um programa fascizante, teve nas presidenciais mais de 18% e uma votação na primeira volta acima dos 12%, e terá representação parlamentar apesar do sistema eleitoral desfavorecer forças como a Frente Nacional.
Na Finlândia o partido Verdadeiros Finlandeses quadruplicou a votação e é a terceira força política. Propõe entre outras anormalidades que as mulheres «regressem a casa para dar à luz verdadeiros finlandeses».
Na Grécia o partido nazi Aurora Dourada passou nas últimas eleições de 1% para 7%. O porta-voz agride adversários políticos em debates televisivos e os jornalistas a cobrir as suas conferências são obrigados a levantar-se á entrada do supremo líder.
Na Suíça o partido União Democrática teve a maior votação de sempre, com 54 deputados em 200. Fez uma campanha onde um rebanho de ovelhas brancas expulsava uma ovelha negra.
Na Holanda o partido Liberdade, de extrema-direita, é o terceiro partido do país.
Na Áustria o Partido Liberal, de direita, tem 34 deputados em 183 e uma dissidência deste partido tem 21 lugares.
Na Suécia a extrema-direita está pela primeira vez no parlamento.
Na Dinamarca o Partido do Povo, de direita, não faz parte do governo mas tem enorme influência nas decisões.
Na Letónia participam no governo forças de extrema-direita com neonazis que desfilam em Riga numa marcha de antigos legionários das Waffen SS.
Na Lituânia o governo de coligação integra uma direita conservadora anticomunista que elegeu 45 deputados em 141.
Na Polónia o anterior governo de direita, retrógrado e anticomunista elegeu 157 deputados em 460.
Na Bulgária o governo de direita obteve 40% de votos e o partido de extrema-direita União Nacional Ataque voltou a entrar no parlamento.

O avanço na Europa destas políticas e suas ideias justifica o apelo que o poeta José Gomes Ferreira lançou outrora ao mundo: Acordai! («Acordai, homens que dormis /a embalar a dor dos silêncios vis»).
Quando alguns pensam ingenuamente ser impossível repetir-se as aventuras históricas do fascismo europeu, não vislumbrando botas cardadas e marchas militares em território europeu, convém relembrar que condições históricas em que predominam o medo, a insegurança, o desemprego e a fome são propícias a soluções musculadas, irracionais e brutais. A serpente põe o ovo de onde saem todos os demónios. Não nos iludamos. A ideologia fascista tem poucos arautos, mas terá sempre poder perigoso de sedução para massas desideologizadas, desesperadas, ou sem confiança no seu papel na sociedade. O próprio actual poder económico e financeiro poderá ser tentado a pensar que a sua perpetuação exige uma solução politica não democrática ou antidemocrática. Esconder esta realidade é crime.

Cristiano Ribeiro

A agricultura no nosso país caminha para a ruina por culpa de PSD/CDS e PS



INTERVENÇÃO NOTÁVEL DE AGOSTINHO LOPES, DEPUTADO DO PCP

1. Na segunda-feira estive no distrito de Viseu com dirigentes da Cooperativa Agrícola de Távora/Moimenta da Beira e da União das ADS/OPP (Associações de Defesa Sanitária/Organizações de Produtores Pecuários) da Beira Alta. E estranha é a sensação de que os problemas detectados na visita à mesma região há um ano tenham sido congelados. Eram os mesmos. (Os mesmos aliás de uma visita da Comissão de Agricultura há 6 anos!) Os mesmos, com um pequeno/grande pormenor. Há um ano havia expectativas, que hoje se frustraram, se esvaziaram completamente. Bastou um ano Srs. Deputados!
Tantas promessas, srs. deputados do PSD e CDS! Tanta e quase sempre justa oposição à política agrícola do governo PS/Sócrates! Tanta crítica e propostas alternativas, para depois de um ano, de governo, certamente com outra encenação, reproduzirem o essencial dessa política, argumentarem como argumentava o PS, fazerem o que fazia o Ministério da Agricultura do PS. Isto é, pouco! Zero!
Com situações, como no Douro ou na sanidade animal que, não tendo sido sanadas, se agravaram brutalmente.
PSD e CDS sabiam o que fazer na agricultura! Hoje não sabem. Desaprenderam rapidamente!

2. Na segunda-feira, na principal organização de produtores de maçã da Beira Alta, fiquei a saber que a região, que podia dar um forte contributo para colmatar as cerca de 200 mil toneladas de maçã que o País importa, não o faz porque o Estado Português não assegura condições mínimas necessárias para que a produção se expanda.
Precisam de mais 15 a 20 mil toneladas de frio e o ProDer ainda não foi capaz de assegurar a ajuda necessária. Precisam de seguro de colheitas acessível e eficaz. Mas se o anterior sistema não era bom, este governo alterou tarde, mal e a más horas, agravando brutalmente os custos dos prémios e mantendo um sistema desadequado para a região. Os agricultores produzem 40/50 toneladas/ha mas as companhias de seguros acham que eles só devem produzir 25/toneladas/ha, valor máximo que aceitam segurar. E o Estado, moita carrasco! Na vinha, na grande maioria dos casos, nesta e na região do Douro, pura e simplesmente não se fez. E nos hortofrutícolas como no tomate, as companhias recusam-se a fazê-lo.
As verbas disponíveis apenas permitem segurar 10% da produção de uma fileira que vale 250 milhões de euros, 90% para exportar! Mas o Governo acha mesmo que o seguro agro-pecuário pode ser um instrumento apenas dependente das partes???
Os agricultores para produzir maçã precisam de água, e como resultado das promessas/disputas de anos do PS e PSD locais, nem grande barragem nem pequenas charcas! Precisam de Investigação e Desenvolvimento e sucessivos governos (e este nada faz para recuperar) deixaram degradar/desactivar a estação fruteira da Estação Agrária de Viseu. Precisam de uma concepção de fileira, e o que há, é o vazio dos serviços oficiais depauperados de meios e recursos humanos! E pairam no ar e na terra, os riscos de fogo bacteriano, que já atingiram fortemente pomares do distrito mais a Sul, sem resposta adequada do governo!




3. Na segunda-feira, na União das ADS da Beira Alta, envolvendo 10 OPP de 6 Cooperativas e 4 Associações de Produtores Pecuários, ficámos a saber que, apesar de todos os alertas, escritos e orais, do Grupo Parlamentar do PCP, nomeadamente em todas as audições com a sra. ministra da Agricultura, a meio do ano de 2012 as associações não só não receberam o que falta de 2011, e é muito (65%/70%), como ninguém lhes diz como vai ser em 2012!
Trata-se de estruturas que têm de pagar salários, segurança social, produtos veterinários, transportes e outros custos da actividade de sanidade animal! A sra. ministra criou uma taxa para obter receitas para pagar a sanidade animal! E quando vão pagar? Não se sabe! E quanto vão pagar? Não se sabe! Lembra-se que PSD e CDS eram, há pouco mais de um ano, contra a passagem dos custos de sanidade animal para cima dos produtores! Mas é o que está a acontecer!
Estamos a falar de pôr em causa um património de saúde animal que significou o investimento de muitos milhões de euros de fundos públicos. Falamos da falta de resposta a problemas que têm implicações na saúde pública, e que podem penalizar gravemente a nossa exportação de produtos pecuários! De que está o governo à espera para agir? De algum desastre? A situação é insustentável, dizem os responsáveis pela sanidade animal de centenas de explorações pecuárias da Beira Alta!
Mas o rosário dos problemas é muito maior. E não há projectos de resolução que valham ao PSD e ao CDS-PP e atenuem a gravidade das políticas que seguem na esteira e continuidade da política agrícola do governo PS/Sócrates.
Por exemplo, aprovámos nesta Assembleia da República um Projecto de Resolução de apoio ao desenvolvimento do regadio, e até um específico, sobre a situação do Baixo Vouga Lagunar. Consequências práticas, zero. O Regadio de Sabariz/Cabanelas, em Vila Verde, ninguém sabe porque não se iniciou em Setembro. O que se sabe ao certo, é que a reprogramação do ProDer deu uma talhada de 155 milhões de euros, nas dotações para o regadio.
Por exemplo, no apoio à floresta, o que aconteceu foi uma reprogramação do ProDer com um corte / um fogo florestal equivalente a 150 milhões de euros! E, entretanto, pairam notícias de ameaças graves sobre as terras baldias, cuja lei, a sra. Ministra diz que vai ser alterada e incluida na Bolsa de Terras. E surgem as notícias de que o governo pretende concessionar a privados as matas públicas! O que é isto srs. Deputados? Terá isto alguma coisa a ver com as declarações do duopólio das celuloses de que tem falta de matéria-prima, quando há mais de 10 milhões de m3 em pé, que já deviam ter sido cortados!
Por exemplo, no próprio ProDer, depois de todos os discursos que ouvimos, certo é que continuam os atrasos no pagamento e que, ao ritmo de execução a que se chegou no fim de Abril, não é no presente ano que se vão gastar as verbas disponíveis no Orçamento do Estado, 100 + 50, milhões de euros!
Por exemplo, o leite. Depois de tudo o que disseram PSD e CDS sobre esta produção, o preço do leite caiu desde Janeiro 2,5 centimos, enquanto continuaram a subir os custos de produção – electricidade, gasóleo, palhas. As rações com uma subida brutal de 40 centimos. E quando os preços no consumidor não baixaram, subiram! E tudo acontece apesar da criação da PARCA. Um Relatório do GPP, não deixa dúvidas sobre quem se tem apropriado de margens excessivas na cadeia de valor. De quem paga os saldos da GD, de quem paga o circo de animais domésticos em Lisboa! E tudo acontece num sector que tem sobre a cabeça o cutelo do anunciado fim das quotas leiteiras da responsabilidade do PS, PSD e CDS, e a quem o actual Governo cortou 16 milhões de euros que estavam consignados exatamente ao sector leiteiro, para facilitar uma dita aterragem suave da extinção das quotas!

Por exemplo, no Douro, onde o governo não encontrou uma só resposta para uma região em estado de cataclismo económico e social. Ou melhor, avançou exactamente com as propostas do anterior governo, PS, para a Casa do Douro. Propõe exactamente o que propunha o governo PS para travar a falência em curso das Adegas Cooperativas do Douro. A falência de algumas das maiores, Santa Marta, Alijó, etc., etc.! Isto é, não dá resposta nenhuma. Não, minto! Deu uma, avançou com uma alteração do quadro legal do IVDP, que não só confirma as expropriações feitas por Jaime Silva ao Douro – caso do cadastro - como reforça a governamentalização e consolida o IVDP como uma extensão do Ministério das Finanças / Direcção-geral de Contribuições e Impostos na colecta de impostos extraordinários da Região Demarcada do Douro! E protestaram PSD e CDS na oposição pelo roubo de 8 milhões de euros feito em 2011!



5. Tudo isto, cai em cima do reforçado e renovado ataque aos serviços públicos e à presença do Estado no mundo rural e no interior do País. Ontem fiquei a saber, que o Ministério da Saúde se prepara para desactivar as estruturas do INEM em Vieira do Minho, Cabeceiras e Celorico de Basto. Não bastam os encerramentos e ameaças em curso nas unidades e serviços de saúde, na rede escolar, nos serviços de finanças, nos transportes ferroviários.
Não basta transformar os cidadãos dessas regiões em portugueses fortemente discriminados no acesso à saúde, quando comparados com os cidadãos do Porto ou de Lisboa, com o pagamento do seu bolso de centenas de euros para chegarem a um hospital no litoral, para onde foram referenciados. Também o INEM os vai deixar. Também os tribunais. Olhem para a proposta do Ministério da Justiça para Trás-os-Montes e Alto Douro! E no fim da linha, a reforma Miguel Relvas/PSD/CDS para extinguir as suas freguesias. De facto, melhor mesmo é apagá-las do mapa, que os cidadãos já lá não estão...
Não deixará o PCP continuar a denunciar, o erro, a violência, a brutalidade de uma política contra o mundo rural e os agricultores portugueses! E a reclamar resposta para os problemas da agricultura nacional! Pelos agricultores, pelos trabalhadores rurais, por Portugal.


(contando com a benevolência do Blog O Castendo)

poema do Aleixo

Quem prende a água que corre
É por si próprio enganado
O ribeirinho não morre
Vai correr por outro lado

António Aleixo

(reflexão popular profunda do Aleixo, com direito a um pensamento "lateral" sobre a liberdade, a justiça social...)

sábado, 16 de junho de 2012

humor

Linda Martini - Dá-me a tua melhor faca

Seguro ao leme ou o Gendarme de serviço

Seguro mais seguro não há II
Quem tem um “seguro” assim não tem com se preocupar, pode continuar a desmantelar o país à vontade, terá sempre por perto um gendarme que lhes cobrirá as costas.
À iniciativa de apresentação de uma moção de censura apresentada pelo PCP respondeu de imediato não o governo, o PSD ou CDS mas sim o polícia de serviço permanente, o guarda-costas da máfia que jurou não deixar pedra sobre pedra. António José Seguro apressou-se a garantir-lhes protecção, diz a figurinha que o país não suporta uma crise institucional, como se houvesse crise pior do que a que o país atravessa às mão dos seus comparsas da São Caetano à Lapa e tudo isto apesar da maioria absoluta que aqueles partidos dispõem no parlamento, não perde uma única oportunidade de reiterar a sua fidelidade, não ao povo que deveria representar mas àqueles que lhe poderão garantir igual protecção quando chegar a sua vez de destruir o pouco que resta, se é que restará alguma coisa.
(em salvoconduto.blogs.sapo.pt)


Seguro reuniu as tropas e decidiu:
"agora não....uma crise política é chata...nós prometemos á troika uma abstenção violenta...é tempo de praia e sossego...temos que reunir com o Holland...estamos no defeso..."

Seguro afivela um ar de responsabilidade e concluiu:
"não, o Constâncio não é culpado pelo descalabro do BPN, o Campos negociou bem as PPP e Sócrates não é pior que Passos Coelho."

PCP apresenta moção de censura ao governo e à política de direita

PCP apresenta moção de censura ao governo e à política de direita

OPORTUNO, MOBILIZADOR, CLARIFICADOR

“PCP anuncia moção de censura ao Pacto de Agressão, ao aumento da exploração, ao alastramento da miséria e pobreza, uma censura ao Governo Passos/Portas – PSD/CDS. Trabalhadores, estudantes, jovens rapazes e raparigas, intelectuais, artistas, cineastas, intérpretes, pensionistas e idosos, dirigentes sindicais, dirigentes associativos, agricultores, inquilinos, mulheres duplamente exploradas, desempregados, pobres mais pobres e mais numerosos que ontem censuraram na rua e no dia-a-dia a política de destruição e de afundamento nacional. Censuram a concentração da riqueza, a corrupção, a política da desgraça, censuram a riqueza opulenta dos tubarões e miséria de quem empobrece a trabalhar. Censuram a asfixia da liberdade, da cultura, das artes, do conhecimento, a exiguidade salarial, a escravatura encapotada. Censurem mais! Censurem nas ruas, nas escolas e nas empresas, nos palcos, nos panfletos, nas manifestações, na revolta, na dança, nos gritos, no voto! O PCP censura também a vosso lado, em todo o lugar, usando o Partido para o que ele serve nas frentes de massas e na Assembleia da República.”

Miguel Tiago, deputado do Partido Comunista Português à Assembleia da República

SERVIÇO PÚBLICO



sexta-feira, 15 de junho de 2012

um documento importante

Exma. Senhora Presidente da Comissão de Saúde
Deputada Maria Antónia Almeida Santos

Assunto: O Grupo Parlamentar do PCP requer a presença do Ministro da Saúde para prestar esclarecimentos quanto à situação das USF e sobre as políticas no âmbito dos cuidados de saúde primários.

O Governo afirma como primado para a política de saúde, o reforço dos cuidados de saúde primários (CSP). Contudo, os CSP debatem-se com dificuldades acrescidas, devido aos sucessivos incumprimentos por parte do Governo e à redução da sua capacidade de resposta face às necessidades da população.

O Governo diz que as Unidades de Saúde Familiares (USF) são uma prioridade, no entanto, os constrangimentos que se sentem no dia-a-dia colocam em causa o seu adequado funcionamento, assim como o acesso e a prestação de cuidados de saúde, entre os quais:

- Os meios financeiros disponibilizados estão dependentes das Administrações Regionais de Saúde (ARS) e são insuficientes para a criação de novas USF. No 1º trimestre de 2012 iniciaram atividade apenas quatro USF, correspondendo ao menor número de aberturas desde 2006, no entanto o número de equipas (40) e de candidaturas (16 no 1º trimestre de 2012) com disponibilidade para iniciar atividade é muito superior;

- Cerca de 30% dos profissionais de saúde das USF têm contratos precários, embora desempenhem funções permanentes, o que poderá ter impacto na continuidade das USF, no caso de estas situações não serem devidamente resolvidas e integrados com vínculo à função pública;

- Registam-se preocupações com o sistema de informação, por falta de eficiência e falhas
frequentes, o que conduziu a sucessivas quebras no acesso às aplicações informáticas (no ano 2011, ocorrem mais de 10) na maioria das USF. Devido às falhas do sistema informático em USF do Concelho de Almada, os médicos admitiram que iriam fazer somente consultas de urgências, por impossibilidade de aceder aos dados clínicos do utente, se não houver uma rápida resolução deste problema;

- Permanecem os atrasos e o não pagamento de incentivos, nomeadamente os institucionais e parte dos financeiros;

- Encerramento do alargamento de horário na maioria das USF da região Norte, que asseguravam a prestação de cuidados de saúde aos utentes no período noturno e nos fins de semana e feriados;

- Os coordenadores das USF continuam a manifestar contestação ao processo de contratualização, acusando a negociação de ser pouco transparente, sobretudo na ARS Norte, porque não consideram as especificidades de cada USF na avaliação efetuada.

O Governo está a avançar para a concentração de Agrupamentos de Centros de Saúde (ACES), sem avaliação e fundamentação que sustente esta opção. A criação de mega ACES, que em alguns casos poderão abranger mais de 350 mil habitantes, contrariando um princípio básico subjacente aos CSP, a proximidade aos utentes.

É necessário aferir quais as medidas em curso para melhorar a articulação entre os CSP, os cuidados continuados e os cuidados hospitalares, que potenciem os recursos públicos e os serviços públicos de saúde e proporcionem um eficiente acompanhamento a cada utente, atendendo às suas necessidades.

No âmbito dos CSP mantém-se o elevado número de utentes sem médico de família (estima-se que seja superior a um milhão de utentes sem médico de família) e a enorme carência de profissionais de saúde (médicos, enfermeiros, técnicos de saúde e administrativos). O encerramento de valências nos centros de saúde ou a redução do seu horário de funcionamento introduziram novos obstáculos aos utentes para acederem à saúde, restando como uma única alternativa na maioria dos casos, o recurso ao serviço de urgências hospitalares. O aumento artificial das listas de utentes por médico de família, sobretudo ao nível da ARS de Lisboa e Vale do Tejo, não é solução para o número elevado de utentes sem médico de família.

Os CSP deveriam assumir-se como a “porta de entrada” dos utentes no Serviço Nacional de Saúde (SNS), apostar na prevenção da doença e na promoção da saúde, e na proximidade aos utentes. Neste sentido, o Grupo Parlamentar do Partido Comunista Português requer a presença do Ministro da Saúde na Comissão de Saúde, com carácter de urgência para prestar esclarecimentos sobre a situação dos CSP e que medidas está a desenvolver para garantir a todos os portugueses o acesso à saúde.

Palácio de São Bento, 24 de Maio de 2012
Pelo Grupo Parlamentar do PCP
Paula Santos
Bernardino Soares

The XX - You Got The Love

quinta-feira, 14 de junho de 2012

notícias da guerra social

POPULAÇÃO PORTUGUESA DIMINUIU NO ÚLTIMO ANO

Este é o retrato nítido e triste de um país agredido por trinta e sete anos de contra-revolução. De sucessivos governos vendidos ao capital sem pátria. Um país destroçado por esses verdadeiros furúnculos históricos sem projecto, nem futuro, nem honra que foram o "soarismo", o “cavaquismo” e o “socretismo”, mais as fraudes "menores" que os antecederam ou que se enfiaram de permeio. Um drama ainda agravado pelo fanatismo neoliberal do bando de cangalheiros que agora tomou o poder.
É o retrato trágico de um país que definha e morre aos poucos. De um povo que desiste de se reproduzir, que seca, que se corrompe, que desiste, que se aliena... ou que vai embora.
Um país onde apenas uma minoria não se conforma e resiste... mas que queima nessa resistência uma boa parte da energia de que necessitaria para crescer... em número, em força, em confiança. (em blog samuel-cantigueiro. blogspot.pt)

mineiros das Asturias - 2012




quarta-feira, 13 de junho de 2012

MARIA KEIL (1914-2012)



Ilustração



Mural da Avenida Infante Santo, em Lisboa


Os lisboetas conhecem Maria Keil. Não era uma grande figura pública. Não tinha os favores dos media. Era tão simplesmente uma das nossas maiores artistas plásticas de sempre.Algumas das suas obras são de arte pública. As mais conhecidas em estações de metropolitano. Mas também no espaço urbano ou na ilustração de muitos livros, parte dos quais também escreveu.A sua primeira intervenção mais importante ocorreu no pavilhão português da Exposição Internacional de Paris de 1937, de que era responsável o marido, o arquitecto Francisco Keil do Amaral ao nível da montagem e decoração. Maria Keil militava no PCP.


(em antreus.blogspot.pt)


humor



DO EURO 2004 AO EURO 2012


Lhasa de Sela - La celestina



Lhasa de Sena (1972-2010) nasceu nos Estados Unidos e radicou-se no Canadá.
Álbum La Llorona, de 1998.

terça-feira, 12 de junho de 2012

votações com significado

Votações na Assembleia da República: sua importância e leitura política. Ou como para se ser de Esquerda não basta parecê-lo, é preciso sê-lo.

23 de Setembro de 2011
VOTAÇÃO NA GENERALIDADE
1. Projecto de Lei n.º 44/XII/1.ª (PCP) – Determina a aplicação extraordinária de uma taxa efectiva de IRC de 25% ao sector bancário, financeiro e grandes grupos económicos (Altera o Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 442-B/88, de 30 de Novembro);
Rejeitado
Favor – PCP, BE e PEV; Contra – PPD/PSD, PS e CDS-PP

2. Projecto de Lei n.º 45/XII/1.ª (PCP) – Tributação adicional sobre a aquisição e a detenção de automóveis de luxo, iates e aeronaves (13.ª alteração à Lei n.º 22-A/2007, de 29 de Junho, que aprovou o Código do Imposto sobre Veículos – ISV – e o Código do Imposto Único de Circulação – IUC);
Rejeitado
Favor – PS, PCP, BE e PEV; Contra – PPD/PSD e CDS-PP

3. Projecto de Lei n.º 46/XII/1.ª (PCP) – Tributa as mais-valias mobiliárias realizadas por Sociedades Gestoras de Participações Sociais (SGPS), Sociedades de Capital de Risco (SCR), Fundos de Investimento, Fundos de Capital de Risco, Fundos de Investimento Imobiliário em Recursos Florestais, Entidades não Residentes e Investidores de Capital de Risco (ICR) – (Altera o Estatuto dos Benefícios Fiscais, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 215/89, de 1 de Julho);
Rejeitado
Favor – PCP, BE e PEV; Contra – PPD/PSD, PS e CDS-PP

4. Projecto de Lei n.º 47/XII/1.ª (PCP) – Cria uma nova taxa aplicável às transacções financeiras realizadas no mercado de valores mobiliários;
Rejeitado
Favor – PCP, BE e PEV; Contra – PPD/PSD, PS e CDS-PP

5. Projecto de Lei n.º 48/XII/1.ª (PCP) – Cria uma sobretaxa extraordinária em sede de IRC (Alteração ao Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 442-B/88, de 30 de Novembro);
Rejeitado
Favor – PCP, BE e PEV; Contra – PPD/PSD e CDS-PP; Abstenção – PS

6. Projecto de Lei n.º 49/XII/1.ª (PCP) – Fixa em 21,5% a taxa aplicável em sede de IRS às mais-valias mobiliárias (Altera o Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 442-A/88, de 30 de Novembro);
Rejeitado
Favor – PS, PCP, BE e PEV; Contra – PPD/PSD e CDS-PP

7. Projecto de Lei n.º 50/XII/1.ª (PCP) – Cria um novo escalão para rendimentos colectáveis acima de 175000 euros e tributa de forma extraordinária dividendos e juros de capital (Altera o
Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 442-A/88, de 30 de Novembro);
Rejeitado
Favor – PCP, BE e PEV; Contra – PPD/PSD, PS e CDS-PP

8. Projecto de Lei n.º 51/XII/1.ª (PCP) – Tributação adicional do património imobiliário de luxo (Alteração ao Decreto-Lei n.º 287/2003, de 12 de Novembro, que aprovou o Código do Imposto sobre Transacções Onerosas – IMT – e o Código do Imposto Municipal sobre Imóveis – IMI);
Rejeitado
Favor – PCP, BE e PEV; Contra – PPD/PSD e CDS-PP; Abstenção – PS

Centro de Educação Ambiental? ou Campo de Golfe?















Localiza-se em Paredes, mais propriamente na freguesia de Vila Cova de Carros. É frequentado muito assiduamente por um vereador-golfista, que é ao mesmo tempo vogal da Direção da ADER Sousa e Presidente da Direção de Projectos da ADER-SOUSA. Para além da beleza do local e do edificado, muitas dúvidas surgem: Quem é o proprietário? Que fundos nacionais e estrangeiros foram usados? Porquê o secretismo?