um blogue pessoal com razões e emoções á esquerda

UM BLOGUE PESSOAL COM RAZÕES E EMOÇÕES À ESQUERDA

domingo, 31 de julho de 2011

Nossa Senhora dos Meliantes


















Tribunal condena 19 autarcas que deram relógio a Ferreira Torres

O Tribunal do Marco de Canaveses condenou esta sexta-feira a três anos de prisão, com pena suspensa, 19 autarcas de freguesia por terem em 2004 usado dinheiro das Juntas para pagar um relógio de ouro oferecido a Avelino Ferreira Torres.

O colectivo de juízes considerou provado que os 19 autarcas praticaram um crime de peculato em co-autoria.

Os arguidos, entre os quais presidentes, secretários e tesoureiros, foram também condenados a restituir às respectivas juntas de freguesia, no prazo de três meses após trânsito em julgado do acórdão, o valor usado para a aquisição do relógio, em média cerca de 500 euros por autarquia.

Outros seis autarcas de freguesia neste processo, também arguidos e que vinham acusados pelo Ministério Público do mesmo crime, foram absolvidos pelo tribunal. Justificaram o dinheiro gasto com obras e limpeza.

O relógio de pulso em ouro, avaliado em 15 mil euros, foi oferecido em Novembro de 2004 ao antigo presidente da câmara numa festa de aniversário e de despedida quando Avelino Ferreira Torres já tinha anunciado a sua candidatura ao município vizinho de Amarante. O grupo de organizadores incluía uma ex-chefe de gabinete de Ferreira Torres e a Presidente da Junta de Freguesia do Torrão, inicialmente eleita pela CDU e posteriormente alinhada com o CDS, facto que obrigou o PCP a retirar-lhe a confiança política.

O relógio estará no Brasil, oferecido pretensamente por Ferreira Torres a uma instituição que representa uma santa a que Ferreira Torres nutre uma grande devoção (consta ser uma “Nossa Senhora dos Meliantes”)

não ás portagens nas scuts

Economia da região Norte/Galiza desceu 20% depois de portagens. Galegos apelam à desobediência contra portagens

Desde a introdução das portagens nas antigas SCUT que a actividade económica desceu 20 por cento na região Norte/Galiza. Por isso, os governos de Portugal e Espanha receberam pedidos de reunião urgente dos autarcas do Eixo Atlântico que pretendiam abordar o actual momento da mobilidade entre fronteiras.

Há menos espanhóis a passarem a fronteira e a consumirem em Portugal. O turismo na zona de Viana está a perder 40% de clientes e no conjunto da Euro- Região está em 20%. A Repsol teve uma quebra de 10% nos postos de abastecimento, entre Tui e Valença.

A posição saiu de um encontro que juntou numa sexta-feira os autarcas do Norte de Portugal e da Galiza, no qual o secretário-geral do Eixo Atlântico mostrou a “inquietude” galega com as dificuldades na mobilidade entre as duas regiões.

Xoán Mao disse mesmo que desde a introdução de portagens nas antigas SCUT do Norte de Portugal a actividade económica na euro-região registou “uma redução na ordem dos 20 por cento”.

Do encontro de ontem voltou a sair a exigência dos autarcas de que o Governo português “tem de dar aos automobilistas galegos uma solução que garanta segurança [no pagamento] e que não aumente a incerteza actual”.
Isto, tendo em conta as dificuldades que o sistema de cobrança virtual está a provocar aos automobilistas espanhóis. Reclamam, por isso, a suspensão de pagamento nas ex- SCUT do Norte para os turistas espanhóis. E garantiram que a deficiência do sistema, que não reconhece a leitura de matrículas estrangeiras, será amplamente publicitada se não houver suspensão.

Do lado português, dizem, a redução das deslocações de turistas galegos está a provocar uma quebra nos negócios de fronteira, sobretudo na hotelaria e restauração. Temas que os responsáveis pretenderam abordar com os governos dos dois países.

Ao ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira, o presidente do Eixo Atlântico vai também pedir um investimento na modernização da linha ferroviária entre Porto e Valença, para tornar a ligação à Galiza mais competitiva.

Para que os comboios funcionem com tempos de viagem “mais curtos” e não as actuais mais de três horas do serviço desde o Porto, sustentou, por seu turno, Abel Caballero, também autarca de Vigo.

Xoán Mao não se coibiu de afirmar que os “tipos do anterior Governo (que implementaram as portagens) além de patifes, são burros”. E didaticamente explicou as vantagens na negociação de um Poder Regionalizado para a defesa dos interesses das populações.


This Will Destroy You - Little Smoke



TWDY de 2010 - TUNNEL BLANKET

sábado, 30 de julho de 2011

NOTICIAS COM SIGNIFICADO

A recente entrada em funcionamento da Unidade de Saúde Familiar União Penafidelis, em Penafiel, teve peripécias que têm algum significado á luz da compreensão dos acontecimentos.

Ao contrário de cerimónias similares, a cerimónia oficial não teve a presença de altos responsáveis da Saúde, senão alguma representação da hierarquia. Ao contrário daquilo que aconteceu em centenas de USF`s deste País, o facto político da sua entrada em funcionamento não foi assinalado nem com a presença do senhor Primeiro Ministro, nem do Ministro da Saúde, ou do Secretário de Estado, ou da Administração Regional de Saúde do Norte.

Há uma ruptura evidente nos procedimentos protocolares que distinguem os novos tempos dos tempos do Governo de Sócrates. Compreende-se mal que a própria estrutura de controlo das USF`s, a Equipa Regional de Apoio, se tenha comprometido com a sua presença a uma hora e tenha antecipado unilateralmente essa presença. Nesta epidemia de ausências _ algumas justificadas pela época estival de férias, mas por isso mesmo sugestiva de adiamento da cerimónia _ inclui-se a ausência da Directora Executiva do ACES Tâmega II Vale do Sousa Sul.

Sendo a União Penafidelis uma USF com 2 locais de trabalho, um pólo em Penafiel e outro em Recesinhos, importaria a presença solidária e interessada das autarquias abrangidas.

Mas em tempo de amuos, demissões, vinganças mesquinhas, o serviço público não é importante. PS e PSD instrumentalizam o mais possível esse serviço. São muito preocupantes os sinais.

Fairport Convention - Maty Groves (Ebbets Field 1974)



SOARES, AMIGO, O PSD ESTÁ CONTIGO!

O fundador do PS Mário Soares vai participar na Universidade de Verão do PSD, que se realiza entre o dia 29 de Agosto e 4 de Setembro. Ainda não é conhecido o tema que o ex-presidente da República vai abordar - a escolha é feita pelo próprio - e os socialistas desdramatizam o encontro entre Soares e os sociais-democratas (dos jornais)

Embora ameaçando poder eventualmente referir-se aos “excessos liberais” da governação de direita, Soares que já passou um claro atestado de credibilidade e de boas intenções a Passos Coelho, não resiste a ser visto como um troféu a exibir por essa direita. Não se deve desconhecer a militância maçónica de Soares e as razões a ela ligada. Não se deve desvalorizar os interesses económicos da sua Fundação, passados e futuros.

Trata-se de mais uma etapa de um longo percurso de orientações influenciadas pela direita política e económica, pelas suas benesses, pelos seus públicos elogios, por traições a camaradas e ao PS, pela identificação de uma política ao serviço de uma classe. Mas para muitos, enganados, Soares era fixe!

Após a operação “Nobre”, essa “luminária” política que de hipótese de esperança virou pesadelo, novos projectos “soaristas” surgirão. Soares não faz nada em vão. A “faca” que apunhalou Alegre permanece activa. António José Seguro, que se cuide.

A Soares deveria o PSD exigir uma lição magistral na sua particular “universidade” sobre o tema “Introdução á Dialéctica da Direita com discurso de Esquerda”. Muito útil para os jovens do PSD em início de promissora carreira política.

Soares é o masterchef de uma culinária política em que se mistura alteração da legislação laboral, despedimentos mais fáceis e baratos, redução salarial e de pensões, agravamento do preço dos transportes públicos e das taxas moderadoras, com a cumplicidade da tróica nacional, a concertação “sucial” de patrões e “vira-latas”, o silêncio dos “indecentes”. E se espera resultado visível.

Soares é o masterchef de luxo de uma situação gravíssima, em que milhões sofrem e uns poucos milhares enriquecem escandalosamente, em que a democracia virou caricatura, e as instituições são assaltadas pela lógica do compadrio, da irresponsabilidade, do empodrecimento. E se acredita que seja possível viver assim.

Perante a necessidade de uma alternativa séria, de novos actores, novas ideias, rupturas necessárias, apresentar Soares como luminosa referência parece-me piada de mau gosto, que não resiste a uma simples pergunta: como chegamos aqui?

Soares acrescenta o seu nome às políticas injustas e irresponsáveis do memorando da tróica. Em Castelo de Vide procederá á referida assinatura. Como sempre, do outro lado da barricada da política necessária